Coronavírus

Minas Gerais Prefeito pede ajuda por cilindros de oxigênio em Monte Carmelo (MG)

Prefeito pede ajuda por cilindros de oxigênio em Monte Carmelo (MG)

Político diz que precisa de 60 reservatórios vazios para demanda de hospital; município transfere pacientes para outras cidades

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Prefeito alerta para falta de cilindros de oxigênio

Prefeito alerta para falta de cilindros de oxigênio

Reprodução / Record TV

Paulo Rocha (PSD), prefeito de Monte Carmelo, a 484 km de Belo Horizonte, emitiu um alerta pedindo à população ajuda para arrecadar cilindros vazios de oxigênio.

Segundo o político, a demanda por oxigênio no município de 47 mil habitantes está acima da capacidade do hospital da cidade e de fornecimento das empresas.

Assim, a prefeitura tenta arrecadar 60 cilindros que serão enviados para a companhia que fornece o produto para o município. Os interessados em ajudar podem entrar em contato com o Pronto Socorro da cidade e agendar horário para uma equipe buscar o equipamento, conforme explicou Rocha.

— Estamos com problema no nosso estoque de cilindros de oxigênio. Não existe empresa que consiga fornecer a quantidade que estamos utilizando hoje em dia. 

Após a divulgação do alerta do prefeito, um grupo de empresários da região sinalizou que vai ajudar a cidade, mas ainda não há confirmação sobre a chegada dos equipamentos.

Leitos

Ainda de acordo com o prefeito, a cidade está com lotação máxima nos hospitais. Com isto, os pacientes estão sendo transferidos para outros municípios, inclusive fora da região que fica no Triângulo Mineiro.

— Já transferimos para Pirapora, Belo Horizonte, Montes Claros e para o Sul de Minas Gerais. Já fizemos uma solicitação para o Estado e o Governo Federal de mais 12 respiradores pra gente tentar criar mais 12 leitos de UTI ou semi-uti para não deixar as pessoas morrerem sem ter a condições de entubar.

Para conter o avanço da doença, Monte Carmelo decretou toque de recolher à partir das 21 horas. Depois deste horário, nenhum estabelecimento não essencial pode funcionar e a população deve ficar em casa.

Procurada, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) ressaltou que a compra de oxigênio é de responsabilidade de cada hospital e destacou que não há falta do insumo nas unidades administradas pelo Estado.

A pasta ainda informou que foi notificada sobre a situação da pandemia de covid-19 no Triângulo Mineiro e que está dando assistência às equipes de saúde da região. Segundo a pasta, neste fim de semana quatro pacientes de Monte Carmelo foram transferidos para a região Oeste.

"A modalidade de contratação para gases medicinais baseia-se em um contrato anual, com vigência até dezembro/2021, que prevê o fornecimento contínuo de gases medicinais necessários ao funcionamento das 20 unidades assistenciais. O serviço está sendo prestado normalmente e atendendo a demanda da Rede Fhemig", destacou o Governo de Minas em nota.

Últimas