Minas Gerais Produtor de BH denuncia racismo em lanchonete de chef renomado

Produtor de BH denuncia racismo em lanchonete de chef renomado

Elizeu Bianco diz que foi confundido com um entregador pelo atendente e humilhado enquanto aguardava na fila, na Savassi, na região Centro-Sul

  • Minas Gerais | Luiz Casoni, da Record TV Minas, e Pablo Nascimento, do R7

Caso aconteceu em uma hamburgueria de BH

Caso aconteceu em uma hamburgueria de BH

Reprodução/RecordTVMinas

Um produtor musical negro denuncia ter sido vítima de racismo na hamburgueria do chef Léo Paixão, um dos mais conhecidos de Minas Gerais, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, nesta segunda-feira (14).

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela PM (Polícia Militar), Elizeu Bianco foi confundido com um entregador enquanto aguardava na fila para comprar uma garrafa de água. Bianco disse à polícia que um atendente disse a ele, em tom de voz “grosseiro e alto” que a fila onde ele deveria aguardar seria outra.

Em entrevista à Record TV Minas, Bianco avaliou que teria sido humilhado pelo funcionário.

— Tinha aproximadamente seis pessoas na minha frente na fila. No momento de ser atendido pelo caixa, ele simplesmente me humilhou de todas as formas.

Após o ocorrido, Bianco gravou um vídeo no local narrando a situação. O atendente não identificado aparece nas imagens pedindo desculpas e tenta se explicar alegando que teria se confundido por causa do boné usado pelo produtor musical.

— Eu consegui falar com ele e expliquei que queria apenas comprar uma água. Falei que eu era cliente igual todos que estavam lá. Disse que a forma que ele trata as pessoas era totalmente errada.

Outro lado

Em nota, o restaurante Nico Sanduíches, do chef Léo Paixão, afirmou que o grupo de restaurantes "repudia toda e qualquer forma de preconceito e racismo".

Ainda de acordo com o posicionamento oficial, o atendente, idoso, "se confundiu e, após notar o que havia ocorrido, imediatamente pediu desculpas, repetidas vezes".

O texto ainda diz que essa é a primeira denúncia do tipo em mais de 8 anos de atividades do grupo e que serão implementadas ações para que outros episódios como este não se repitam.

"Todos os nossos colaboradores, sem exceção, passarão por um curso de requalificação de relacionamento com o público, com orientações específicas sobre o atendimento a clientes e prestadores de serviço", conclui a nota.

A Polícia Civil também foi procurada, mas ainda não se manifestou sobre o caso.

Últimas