Minas Gerais Qualidade da educação em MG avança mas fica abaixo da meta

Qualidade da educação em MG avança mas fica abaixo da meta

Novos dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) mostram que o Estado teve uma redução na evasão escolar entre 2017 e 2019

  • Minas Gerais | Akemi Duarte, da Record TV Minas, com Pablo Nascimento, do R7

MG não tem previsão de retomar aula presencial

MG não tem previsão de retomar aula presencial

Eric Gaillard/Reuters - 1.9.2020

Os dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) divulgados nesta terça-feira (15) mostram que Minas Gerais teve avanço no sistema que avalia a qualidade do ensino no país, mas não atingiu todas as metas estipuladas.

O índice do ensino médio no Estado pulou de 3,6 para 4,0, entre 2017 e 2019. Foi o maior salto registrado pelo Estado na história do Ideb. Embora a meta fosse 5, a secretária de Educação, Júlia Sant'Anna, avaliou que os resultados foram positivos para o Estado.

— Apenas dois Estados alcançaram a meta de ensino médio no Brasil, mas eles têm metas inferiores às de Minas Gerais. Então é muito importante falar que entendemos ser fundamental uma revisão de metas e a outra coisa é considerar a trajetória recente de Minas, que passou por situação muito terrível.

Segundo a secretária, as escolas com as melhores notas vão ser reconhecidas e as melhores gestões serão premiadas.

Um dos pontos que ajudaram o Estado a conquistar esse posto foi a queda no abandono escolar. Em 2017, a taxa de evasão no ensino médio era de 8,1%, 3,1% nos anos finais do ensino fundamental e 0,3% nos anos iniciais. Já em 2019, a taxa registrada no ensino médio foi de 5,3%, nos anos finais do ensino fundamental foi de 1,6% e nos anos iniciais 0,2%.

Preocupação

As notas divulgadas essa semana são referentes ao ano passado e, por isso, provocam uma reflexão sobre o futuro da educação no Estado. Em 2020 os alunos não chegaram a completar dois meses de aulas presenciais por causa da pandemia. Desde então, o ensino segue a distância.

As aulas virtuais começaram em maio com muitas críticas sobre o material disponibilizado pela Secretaria de Estado de Educação. Só em junho, esse material, que continha erros, foi corrigido. Além das apostilas, as aulas são transmitidas pela TV estatal.

Geniana Faria, subsecretária de Desenvolvimento da Educação Básica, destaca que o Estado trabalha para evitar defasagens neste período de pandemia.

— Por mais que agente saiba dos impactos da não interação, todo material foi organizado levando em consideração as habilidades e conteúdos que precisam ser desenvolvidos e que serão cobrados, posteriormente, na avaliação nacional.

De acordo com o governador Romeu Zema (Novo), apesar da redução no número de casos de covid-19 no Estado, ainda não há data para as aulas presenciais serem retomadas.

— Nós temos visto nas últimas semanas que a quantidade de novos casos e óbitos têm diminuído de maneira considerativa, mas ainda não chegamos no ponto em que a Secretaria de Saúde considera adequado para retorno às aulas.

Últimas