"Qualquer afrouxamento causará desastre", diz Kalil sobre isolamento

Prefeito de Belo Horizonte afirmou que vai determinar regras de quarentena mais rígidas caso não haja redução do número de casos de covid-19 na cidade

Kalil criticou manifestações contra restrição em lojas

Kalil criticou manifestações contra restrição em lojas

Reprodução/ Record Tv Minas

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), voltou a defender o isolamento social como medida para controlar a proliferação do novo coronavírus.

Em entrevista à Record TV Minas, nesta segunda-feira (30), o chefe do Executivo disse que a conclusão do comitê que acompanha o caso é que mudanças nas regras adotadas atualmente poderiam causar problemas.

— Qualquer afrouxamento causará um desastre nesta pandemia.

Kalil explicou que o número de casos de covid-19 na capital mineira não está crescendo exponencialmente, mas destacou que ainda é cedo para afirmar que a situação foi controlada.

Leia também: MP quer informações sobre possível reabertura de comércios

Segundo o prefeito, caso haja um aumento de contaminações na cidade, o Governo municipal pode adotar medidas de isolamento mais rígidas. Por enquanto, todos os agentes da Guarda Municipal estão empenhados para monitorar os comércios que abrem ilegalmente. Agentes da PM (Polícia Militar) ajudam a orientar os moradores sobre as aglomerações.

— Nós temos tudo para sair disto o máis rápido possível desde que a população tome a consciência de que ficar em casa é o que deve ser feito.

Durante a entrevista, o prefeito também criticou as manifestações que estão ocorrendo na cidade contra a limitação imposta ao funcionamento das empresas.

— Amarrar bandeira do Brasil nas costas não é patriotismo. Patriota é quem põe toca, luva, máscara e vai para a ponta. Patriota é o gari, a Guarda Municipal, a polícia e o bombeiro.

Veja mais: