Minas Gerais "Quando tirei a blusa, vi o olho dele", desabafa mulher espiada pelo chefe trocando de roupa

"Quando tirei a blusa, vi o olho dele", desabafa mulher espiada pelo chefe trocando de roupa

Empresa foi condenada a pagar R$ 10 mil em danos morais para operária em Contagem

"Quando tirei a blusa, vi o olho dele", desabafa mulher espiada pelo chefe trocando de roupa

Operária reclama da atuação da empresa

Operária reclama da atuação da empresa

Record Minas

Sem outra opção por ser a única mulher da obra, Marcia Aparecida Dutra usava o vestiário masculino para se trocar quando os outros funcionários iam embora. Até que descobriu que o chefe a observava por um buraco na parede.

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

A operadora de empilhadeira decidiu processar o ex-patrão por assédio moral e ganhou em duas instâncias na Justiça o direito a receber R$ 10 mil de indenização além das verbas trabalhistas. Mas não há data para o pagamento: a empresa recorreu ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

— Eu estava trocando de roupa. Quando tirei a blusa e me virei, eu vi o olho dele. Abri a janelinha e ele fez uma piadinha.

Diante da atitude, procurou uma advogada e denunciou o caso aos colegas. Mas não recebeu o apoio que esperava do empregador.

— Eu fiquei doente, deprimida, tomando remédio para dormir. A postura da empresa não foi boa comigo. Poderia ter me apoiado, porque a política é colocar o funcionário em primeiro lugar, e comigo não foi assim.

A advogada Flávia Leocádio representou Maria Aparecida no processo.

— O pedido foi de rescisão indireta do contrato em decorrência do assédio moral, além da indenização por danos morais. A empresa recorreu, o Tribunal manteve a sentença e a empresa recorreu para a 3ª instância.

Apesar da falta de previsão para receber, a operária não desiste do processo:

— A justiça tem que ser feita, independente se demorar ou não, causar transtorno ou não.

A defensora alerta que quem se sentir ofendido não pode ter vergonha de denunciar:

— Procure seus direitos. A Constituição garante o direito à privacidade e à intimidade. Se se sentir humilhada, em situação vexatória, não abra mão.