Minas Gerais Quatro mulheres são mortas por ex-companheiros em apenas um dia

Quatro mulheres são mortas por ex-companheiros em apenas um dia

Relacionamentos amorosos motivaram os crimes em MG

Quatro mulheres são mortas por companheiros em apenas um dia

Cristian não se conformava com o fim do relacionamento

Cristian não se conformava com o fim do relacionamento

Facebook / Reprodução

A Violência contra a mulher em Minas mais uma vez chamou a atenção nesta segunda-feira (15) com a morte de três mães e uma filha, com requinte de crueldade, por companheiros e padrastros. Em Poço Fundo, no Sul de Minas, a 398,6 quilômetros da capital, Iza Kevelin Flora de Souza, de 25 anos, morreu depois de ter mais de 50% de seu corpo queimado pelo ex-companheiro. Ela deixou duas filhas órfãs.

Em Santa Luzia, na região metropolitana da capital, a dona de casa Elizângela da Silva Amorim, de 37 anos, foi morta pelo namorado da filha adolescente porque não permitia o conturbado relacionamento. Depois de várias ameaças, o agressor identificado como Nego Leo fez vários disparos contra sogra, dentro da casa dela à  rua Rio Pardo, no bairro Santa Matilde. A menina de apenas 16 anos está grávida do  namorado.

Leia mais notícias no Portal R7

O fim de Lucimar Rocha Alves, de anos, e sua filha Miriam Graziele Alfes dos Santos, de 31 anos, também foi pelas mãos de um ex-companheiro. O mecânico, de 55 anos, identificado apenas como Geraldo, também inconformado com o fim do relacionamento em dezembro, matou a tiros e facadas a mulher e a filha dela, em Uberaba, no Triângulo mineiro, a 419 quilômetros da capital.

O mecânico foi preso em flagrante e confessou o crime. Disse ao delegado de Homicídios e Proteção à Pessoa de Uberaba, Cyro Moreira, que o que o moveu foi a publicação pela ex-mulher numa rede social de que estava em novo relacionamento. Segundo a polícia, o mecânico tentou se matar, mas não tinha mais bala no revólver.

Preventiva

O delegado de Poço Fundo, Éder Roberto Neves, responsável pela presidência do inquérito que apura a morte de Iza Kevelin pediu nesta terça-feira (16) a prisão preventiva do ex-companheiro da vítima Cristian Souza, o Tito, de 34 anos. Ele está foragido desde a noite de domingo, quando atirou um líquido inflamável na ex-companheira e ateou fogo.

Segundo a polícia, Cristian não se conformava com o fim do relacionamento com Iza, que durou pouco mais de um ano. Em outubro do ano passado, a delegacia da cidade instaurou um inquérito para apurar agressões de Cristian contra ela. No entanto, ao ser ouvida ela negou o fato e dispensou a aplicação de medida protetiva para ela e as filhas.

Facebook / Reprodução

Mas como num roteiro de filme de terror, no último dia 7, Iza usou as redes sociais (veja a íntegra da postagem) para falar sobre as agressões que retornaram: “Venho aqui desabafar com todos vocês que de uns dias pra cá meu ex companheiro chamado Cristian, mas conhecido como Kito, vem me ameaçando com faca e até me agredindo. Já dei parte [na polícia] mas até agora nada foi feito. Essa manhã de domingo, cheguei em minha casa onde moro com minhas duas filhas e minha casa estava arrombada e minhas roupas todas cortadas e das minhas filhas também, e meu computador ele queimou”, afirmou Iza.

E completou: “Sinceramente estou com medo. Sé quero que a justiça seja feita antes que esse cara me mate ou me machuque. Diga não à violência doméstica”.

    Access log