Minas Gerais Sargento suspeito de matar prima para receber seguro é indiciado

Sargento suspeito de matar prima para receber seguro é indiciado

Policial de Muriaé (MG) se passou pela cabeleireira e pela mãe dela para fazer seguro de R$ 23 milhões; PM é acusado de 13 crimes

  • Minas Gerais | Airine Ferreira*, da Record TV Minas

Nayara morreu três dias após ser baleada

Nayara morreu três dias após ser baleada

Reprodução / Record TV Minas

A Polícia Civil indiciou um sargento da Polícia Militar suspeito de matar a prima em Muriaé, a 322 km de Belo Horizonte, para receber o valor de um seguro no valor de R$ 23 milhões feito em nome dela. Ao todo, o militar foi indiciado por 13 crimes.

Nayara Andrade era cabeleireira e foi morta com cinco tiros enquanto trabalhava no próprio salão, no dia 1º de junho neste ano. A vítima foi internada em um hospital, mas morreu três dias depois. O suspeito, que não teve o nome divulgado, foi preso 20 dias depois  em um shopping de Muriaé.

Investigação

As investigações da Polícia Civil apontam que o assassinato teria sido motivado pelo pagamento de prêmios dos seguros de vida. No total, as apólices somavam R$ 23 milhões e tinham como beneficiária a mãe da vítima.

Os contratos foram feitos entre março e junho e, nos documentos, não consta a assinatura de Nayara, só da mãe dela. Os investigadores concluíram que o suspeito se passou pela prima e pela mãe dela para formalizar a documentação.

O carro usado pelo suspeito para ir até o local do crime havia sido comprado em Belo Horizonte. Após o homicídio, o sargento levou o veículo para Viçosa e retornou, de motocicleta, para a cidade. O suspeito ainda levou o celular de Nayara para atrapalhar as investigações e, momentos antes do crime, ligou para a Polícia Militar afirmando que havia uma movimentação suspeita em uma região da cidade oposta ao do salão de beleza. Segundo a Polícia Civil, o sargento também teria oferecido ‘vantagem indevida’ para tentar ‘frear’ as investigações.

O sargento foi indiciado pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, 10 crimes de estelionato tentado, fraude processual e corrupção ativa. O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público de Minas Gerais. O suspeito segue preso.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar e aguarda retorno.

*​Estagiária do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli.

Últimas