Coronavírus

Minas Gerais Secretário de Saúde de MG diz que se vacinou para dar exemplo

Secretário de Saúde de MG diz que se vacinou para dar exemplo

"Se ele queria ser exemplo, por que não foi vacinado publicamente?", questionou o presidente da Comissão de Saúde

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Secretário foi questionado por deputados

Secretário foi questionado por deputados

Divulgação / ALMG / Clarissa Barçante

Carlos Eduardo Amaral, secretário de Saúde de Minas Gerais, suspeito de furar a fila de vacinação da covid-19, declarou que foi imunizado para "dar exemplo".

A afirmação foi feita durante uma sabatina com deputados na ALMG (Assebleia Legislativa de Minas Gerais), nesta quarta-feira (10). O caso, revelado pelo R7, foi uma das principais pautas da reunião.

— Quis ser vacinado para não parecer que eu era contra a vacina ou que acho que alguma vacina não servia. Acho que todos devemos ser vacinados, e tenho trabalhado há muito tempo nos hospitais.

A afirmação do secretário, no entanto, causou questionamento por parte de alguns deputados que acompahavam a sabatina. João Vitor Xavier (Cidadania), presidente da Comissão de Saúde, defendeu maior explicação sobre o assunto. Os legisladores articulam a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar as possíveis irregularidades.

— Alguns questionamentos são necessários. Se ele [o secretário] queria ser exemplo sendo vacinado, por que não o fez publicamente? Por que ele não convidou a imprensa e fez um ato? Se é para ser exemplo, por que o governador do Estado não vacinou antes? A rainha da Inglaterra esperou a fila de vacinação. Por que o secretário de Saúde de Minas Gerais não pode?

Fura-fila

Ao confirmar que ele e servidores administrativos da Secretaria de Saúde foram vacinados, Carlos Eduardo Amaral justificou à Record TV Minas que não houve irregularidades. Segundo o chefe da pasta, os imunizados ocupam cargos diretamente ligados à força-tarefa de combate à pandemia.

Amaral explicou, ainda, que estes servidores precisam acompanhar reuniões e viagens em hospitais e áreas consideradas de risco devido a surtos da covid-19. Conforme lista obtida pela reportagem, foram vacinados funcionários do alto escalão, trabalhadores do almoxarifado e membros da equipe de comunicação. Trabalhadores em home office também foram convocados.

O caso é investigado pelo MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), Polícia Federal e pela Controladoria-Geral do Estado. O MP deu cinco dias para o governo apresentar a lista de vacinados e justificar a ligação dos trabalhadores com os grupos prioritários de imunização.

Veja como anda a vacinação em todo Brasil:

Últimas