Novo Coronavírus

Minas Gerais Servidores da gestão da Saúde em MG protestam por vacinação

Servidores da gestão da Saúde em MG protestam por vacinação

Manifestação foi realizada em BH e regionais; grupo promete entrar na Justiça contra a divulgação da lista de "fura-filas" pela CPI

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento e Célio Ribeiro*, do R7

Grupo se reuniu na Cidade Administrativa, em BH

Grupo se reuniu na Cidade Administrativa, em BH

Divulgação / AEPGS

Servidores da Saúde de Minas Gerais realizaram, nesta quarta-feira (24), um protesto reivindicando a vacinação dos trabalhadores da pasta contra a covid-19.

A manifestação foi organizada pela AEPGS (Associação dos Especialistas em Políticas e Gestão da Saúde do Estado de Minas Gerais) e contou com a mobilização de servidores da capital mineira e de mais 27 regionais.

De acordo com o presidente da associação, Gustavo Bedran, o grupo também exige que a “CPI dos fura-fila” não divulgue o nome dos servidores que foram vacinados e vê a exposição dessa lista como “injusta”. O movimento promete ir à Justiça.

— Os servidores não podem ser culpados por algo que foi determinado por um superior, foi uma ordem. Estamos ajuizando uma ação para coibir a divulgação com a lista dos nomes, por entendermos que essa é uma violação da lei de proteção e uma questão de sigilo médico.

A AEPGS promete realizar “atos de valorização do servidor” todas as semanas enquanto durar a investigação promovida pelos deputados estaduais. Bedran também defendeu a importância dos gestores da saúde durante a pandemia da covid-19.

— Agradecemos aos jornais por expor a versão dos servidores, que estão sofrendo por isso. A manifestação quer a valorização dos trabalhadores da Saúde, estamos lutando pela sociedade.

“CPI dos fura-fila”

A comissão parlamentar de inquérito foi formada após reportagens do R7 revelarem irregularidades na vacinação de servidores da Ses-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais). Trabalhadores da administração, em teletrabalho e até mesmo o então secretário, Carlos Eduardo Amaral, foram imunizados.

Com o escândalo, o Governador Romeu Zema (Novo) exonerou Amaral e o número 2 da pasta, Marcelo Cabral. Os deputados aprovaram, na terça-feira (23), a convocação do ex-secretário, que terá de explicar as possíveis irregularidades.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas