febre amarela
Minas Gerais Sobe para 117 as mortes causadas por febre amarela em Minas Gerais

Sobe para 117 as mortes causadas por febre amarela em Minas Gerais

Em 102 cidades do Estado, macacos também morreram com a doença

Sobe para 117 as mortes causadas por febre amarela em Minas Gerais

Ao todo, 53 cidades mineiras confimaram casos de febre amarela em 2017

Ao todo, 53 cidades mineiras confimaram casos de febre amarela em 2017

Reprodução / Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

A Ses (Secretaria de Estado de Saúde) informou, nesta sexta-feira (17), que sibiu de 110 para 117 o número de mortes causadas por febre amarela, em Minas Gerais, neste ano. De acordo com a pasta, ao todo, ainda estão sendo investigados outros 75 óbitos.

Até o momento, 339 pessoas já foram diagnosticadas no estado com a doença, neste surto que é um dos maiores já enfrentados no país. Dos 853 municípios mineiros, 93 estão investigando possíveis casos, enquanto 53 já tiveram registros positivos para febre amarela.

Saiba quem deve se vacinar

De acordo com a Secretaria, o perfil das vítimas não apresentou mudanças significativas desde o último boletim, divugado nessa terça-feira (14). A maior parte das que morreram (88,9%) são homens com idade média de 44,9 anos.


Macacos mortos

Mais uma cidade entrou para a lista dos municípios mineiros que confirmaram a morte de macacos com febre amarela. Agora, ao todo, são 102 cidades com essas características. A SMSA ressalta que os macacos não transmitem febre amarela e, assim como os humanos, são vítimas. A doença é transmitida para humanos quando um mosquito das espécies Haemagogus e Sabathes picam a pessoas após picar um primata não humano contaminado. Desse modo, a morte de macacos é um indicador importante de possíveis áreas de proliferação às quais o poder público deve voltar as atenções. Em ambiente urbano, a doença também pode ser transmitida pelo Aedes aegypti. Em Minas Gerais, até o momento, não há relato de contaminação em áreas urbanas.

    Access log