Suspeito de abusar de crianças em colégio de BH presta depoimento

O ex-auxiliar de Educação Física, Hudson Nunes de Freitas, foi a 41ª pessoas ouvida em inquérito aberto pela Polícia Civil e nega as acusações 

Funcionário foi afastado do Colégio Magnum

Funcionário foi afastado do Colégio Magnum

Reprodução/RecordTV Minas

O ex-auxiliar de Educação Física do Colégio Magnum, Hudson Nunes de Freitas, acusado por mães de alunos da escola de ter cometido abusos contra crianças, foi ouvido pela Polícia Civil de Minas Gerais nesta segunda-feira (14).

Ao todo, 41 pessoas, entre representantes da escola, familiares das crianças e alunos foram ouvidos como parte do inquérito. 

O depoimento foi prestado na Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), localizada no bairo Carlos Prates, região Noroeste de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Civil, após o depoimento de Hudson, o inquérito entrou em fase final. 

Segundo o advogado de Hudson, Fabiano Lopes, o suspeito respondeu a todas as perguntas feitas pela delegada Thaís Degani e reafirmou sua inocência, na mesma linha das declarações que ele já vinha fazendo em público. 

— Ele, desde o primeiro momento, vem dizendo que é inocente, que não tem contato com as crianças, que a própria escola não possibilita isso. Ele diz também que a denúncia com relação a um suposto abuso no banheiro é impossível, já que há profissionais responsáveis por isso e que, inclusive, há câmeras no colégio que poderiam comprovar. Ele não te autonomia para esse tipo de coisa. 

Conforme o advogado, a vida de Hudson mudou, desde que a primeira denúncia foi levada a público e que ele se mudou para a casa de amigos. "Mas desde que as mães e os pais abraçaram ele na escola, ficou um pouco mais tranquilo", disse. 

Na semana passada, Hudson foi recepcionado por pais, mães e alunos na porta do Colégio Magnum, que fizeram um ato em apoio ao ex-funcionário da escola. A Polícia Civil já apreendeu o celular do suspeito e realiza perícia no aparelho. 

Relembre o caso

No fim de setembro, a mãe de uma criança de três anos de idade foi à delegacia para denunciar o então auxiliar de Educação Física, Hudson Nunes de Freitas, por suposto abuso sexual contra a criança. Segundo essa mãe, o filho teria apresentado mudanças no comportamento, como tentar dar beijo na sua boca, comportamento incomum entre os dois. 

A mãe, então, perguntou quem o teria ensinado a fazer aquilo e a criança teria dito o nome de Hudon. Na sequência, após a primeira denúncia, outras mães e pais também procuraram a polícia para fazer denúncias semelhantes.