Suspeito de matar criança teve tornozeleira retirada há um mês

Moabe Edson Pinto Nogueira Souto foi liberado do monitoramento no dia 27 de setembro; ele possui passagens na polícia por posse e tráfico de drogas

Menina estava indo para a escola quando foi atacada

Menina estava indo para a escola quando foi atacada

Divulgação / Record TV Minas

A Justiça de Minas Gerais suspendeu há um mês o uso de tornozeleira eletrônica do homem suspeito de matar uma menina de cinco anos, na porta de uma escola, na manhã desta quarta-feira (30), em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com a Sejusp (Secretaria de Estado de Segurança Pública de Minas Gerais), Moabe Edson Pinto Nogueira Souto foi liberado do monitoramento no dia 27 de setembro deste ano, por determinação judicial.

O homem possui passagens pela polícia, especialmente por posse e tráfico de drogas. Ele estava preso e, em agosto, deixou a penitenciária. O suspeito contou para a Polícia que é usuário de crack há três anos.

Segundo a PM, Moabe contou que atacou a garota após ter recebido um chamado de “entidades” sobrenaturais que mandavam ele matar uma criança. Os familiares dele informaram que ele sofre de esquizofrenia, e que na terça-feira (29), teve uma crise após ter deixado de tomar os remédios.

Ataque

Na manhã desta quarta-feira (30), Ieda Isabela Manoel Peres, de cinco anos, seguia para a escola com seu irmão, de oito anos e com a babá, Brenda Souza de Andrade, quando foi atacada por um homem com uma faca. 

A mulher que acompanhava a menina contou que caminhava com ela é o irmão, quando percebeu que Ieda caiu no chão.

— Quando eu olhei para trás, o homem estava com uma faca branca, parecendo de açougue. Então eu peguei ela, comecei a rolar no chão e a gritar socorro.

Brenda lembra que conseguiu se levantar e fugir com a menina, mas foi alcançada pelo suspeito. Ela afirmou que não conhecia o autor das facadas.

O homem tentou fugir do local, mas foi contido e quase linchado por pessoas que presenciaram o crime até a chegada da Polícia Militar. Ele foi detido e levado para uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da região.

Após o falecimento da menina, o prefeito de Betim, Vittorio Medioli, decretou luto de três dias na cidade. As aulas na escola em que a menina estudava foram suspensas até segunda-feira (4).

*Estagiária do R7, sob supervisão de Lucas Pavanelli