Novo Coronavírus

Minas Gerais Taxa de transmissão da covid volta a subir e atinge faixa de alerta em BH 

Taxa de transmissão da covid volta a subir e atinge faixa de alerta em BH 

Dados da prefeitura indicam que o índice passou de 0,94 para 1,02 entre a última semana e esta segunda-feira (5); executivo alega preocupação

  • Minas Gerais | Caio Silva*, do R7

Taxa de transmissão da covid-19 em BH voltou a subir

Taxa de transmissão da covid-19 em BH voltou a subir

Pixabay/ Reprodução

A taxa média de infectado por covid-19 em Belo Horizonte, conhecido como RT, voltou a subir na cidade, nesta segunda-feira (5), e atingiu a faixa de alerta. 

Segundo o último boletim epdemiológico realizado pelo município, o número está em 1,02, o que significa que a cada grupo de 100 pessoas infectadas, passam a doença para mais 102 pessoas.

Até a última sexta-feira (2), quando foi publicado o último boletim epdemiológico, a taxa de transmissão por infectado estava em 0,94, na zona verde dos indicadores criados pela prefeitura para nortear a flexibilização da economia na cidade. 

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, o aumento da taxa de transmissão por infectado subiu devido "à maior exposição das pessoas, com a redução do isolamento social" por causa das flexibilizações de atividades econômicas na cidade.

De acordo com o executivo, caso a taxa de transmissão continue subindo e atinja o índice 1,20, "provocaria um crescimento no número de casos mais graves [de covid-19] e, consequentemente, pressão sobre a infraestrutura de saúde".

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) exclusivos para a covid-19 também subiu. Segundo o boletim, o íncide subiu de 37,9%, na sexta-feira, para 39,9%, nesta segunda-feira, mas ainda continua com os indicadores verdes. Para alcançar a faixa amarela, os número têm que chegar à 50%. 

Já a taxa de ocupação de leitos de enfermaria caiu em relação à sexta. O boletim informa que os indicadores, que estavam em 35,4%, caíram para 33,7%.

A Prefeitura informou que o monitoramento dos indicadores permanecem constantes, mas caso haja um agravamento nos números, tomará medidas "com objetivo de preservar vidas".

O executivo ainda informou que "não existem elementos que indiquem que a situação está próxima e, por isso, não há alteração no processo de reabertura".

Até o último boletim epdemiológico realizado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) e divulgado nesta terça-feira (6), a cidade de Belo Horizonte já confirmou 42.015 pessoas infectadas pelo vírus e 1.289 óbitos em decorrência da doença.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas