Minas Gerais Tia morre e bebê é internada após serem atropeladas em BH

Tia morre e bebê é internada após serem atropeladas em BH

Criança de 1 ano e seis meses teve o pulmão perfurado e amassamento no crânio; acidente aconteceu na região Oeste

  • Minas Gerais | Regiane Moreira, da Record TV Minas

Quatro pessoas foram atropeladas nesta segunda-feira (19) no bairro Jardim América, na região Oeste de Belo Horizonte. Uma mulher de 33 anos morreu na hora e uma bebê de um ano e seis meses está internada em estado grave.

As vítimas estavam paradas em uma esquina, conversando, quando foram surpreendidas. Segundo testemunhas, um carro de aplicativo descia a rua quando foi atingido por outro carro, que teria avançado o cruzamento em alta velocidade.

Letícia Teixeira da Silva, de 33 anos, morreu na hora. No colo dela estava a sobrinha Maria Alice, de um ano e seis meses, que foi internada com uma perfuração no pulmão e amassamento no crânio. Uma mulher identificada como Daiana, também foi levada para o Hospital João 23 afirmando que não sentia as pernas. A quarta vítima teve ferimentos leves.

Bebê foi internada com amassamento no crânio

Bebê foi internada com amassamento no crânio

Reprodução / Record TV Minas

A esteticista Carla Francisca da Paixão, irmã de Daiana, afirma que um dos veículos tinha 10 ocupantes, sendo que o máximo seriam 7. Ela também disse que os ocupantes jogaram latas de bebida para fora do carro antes da chegada da Polícia Militar.

— Uma menina começou a tirar latinha de cerveja de lá. O motorista estava com um copo na mão.

De acordo com a Polícia Militar, o motorista do carro se recusou a fazer o teste do bafômetro. Os militares precisaram proteger alguns dos ocupantes dos veículos, que foram ameaçados por moradores do bairro.

O motorista de aplicativo soprou o etilômetro, que não apontou a presença de álcool. Eles foram levados para uma unidade do Detran (Departamento de Trânsito).

Tia que estava com bebê no colo morreu na hora

Tia que estava com bebê no colo morreu na hora

Reprodução / Record TV Minas

A dona de casa Gabriele Carvalho pede que a BHTrans (Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte) faça na sinalização das vias da região.

— Não foi o primeiro acidente aqui na esquina, mas foi o pior. Tem muitas crianças e o povo não respeita. Passam em alta velocidade.

Em nota, a BHtrans informou que o cruzamento do acidente tem placas de parada obrigatória, sinalização de velocidade máxima e indicação sobre a presença de pedestres.

Últimas