Minas Gerais Trabalho e estudo ocupam cotidiano de detentos em único presídio privado do País

Trabalho e estudo ocupam cotidiano de detentos em único presídio privado do País

Complexo PPP, em Ribeirão das Neves, abriga 608 condenados em regime fechado 

  • Minas Gerais | Enzo Menezes, do R7 MG

— Enfermeira! Abre, abre, ele tá passando mal!  

O detento nervoso esmurra a porta de ferro que separa o pavilhão do corredor quando um companheiro de cela desmaia. Em cinco minutos, uma maca aparece para carregá-lo. Pouco tempo depois, o preso retorna, em pé, amparado pela enfermeira. "Foi um ataque epilético", avisa um assessor. "Alguns até fingem que passam mal para dar uma volta", diz outro funcionário, tentando amenizar.   

O atendimento foi testemunhado pela reportagem, na tarde da última terça-feira (11). O R7 passou duas horas no Complexo Penitenciário PPP, em Ribeirão das Neves, na Grande BH, para conhecer o funcionamento do único presídio privado do Brasil. As cenas de superlotação e brigas entre presos passam longe do local, que não conta com guarda armada ou funcionários do Estado.  A principal aposta é no trabalho e estudo dos detentos em tempo integral e em um imenso aparato tecnológico para não permitir a entrada de materiais proibidos.   

Minas inaugura primeira penitenciária privada do País

Leia mais notícias no R7 MG

Ministério Público aciona Estado na Justiça por superlotação em presídio

Também há trabalho no setor de metalurgia, com produção de 400 cadeiras de ferro por dia, assim como a produção de macacões. O detento recebe os mesmos benefícios de prisões públicas: um dia a menos na pena a cada três trabalhados e um salário mínimo - 25% é destinado ao governo e o restante é dividido entre a família e o próprio detento, que pode sacar o valor ao ganhar a liberdade.

O Complexo PPP abriga 608 condenados em regime fechado, divididos em oito pavilhões (chamados de “vivências”). Em geral, quatro homens por cela. A previsão é inaugurar outras quatro unidades, sendo três para condenados em regime semi-aberto. Foram gastos R$ 280 milhões na penitenciária.

Largou o vício 

Bruno (o sobrenome será preservado), 33 anos, diz que não tem uma profissão porque “sempre trabalhou no crime”. Sentenciado por roubo, ficou um ano e dois meses no Presídio São Joaquim de Bicas 2 e agora conta os últimos 15 dias antes de voltar para casa. Ele pretende estudar para não ficar desempregado.   

— Lá são 33 num barraco (cela) só. Aqui são quatro. Eu fumava quatro maços de cigarro por dia, com o atendimento aqui não sinto falta. Em cinco meses larguei o vício.

Depois de duas horas e meia de estudos e seis horas de trabalho, os presos podem passar duas horas no banho de sol. Quem não quiser jogar bola pode assistir TV – monitores de tela plana ficam espalhados nas paredes do pátio. Segundo um funcionário, o programa preferido é o futebol.   

— Já passou até um Cruzeiro e Atlético. Eles ficaram doidos.   

Bom comportamento

A Suapi (Subsecretaria de Administração Prisional) afirma que o critério para um preso ser transferido para o Complexo PPP é ser condenado em regime fechado. Mas admite que todos precisam ser habilitados a trabalhar e a estudar. Na prática, isso afasta detentos "barra-pesada", que perdem benefícios por mau comportamento. Desde 18 de janeiro, data da inauguração, seis obtiveram o alvará de soltura. Nenhum deles foi detido novamente.   

Para Maria Cláudia Machado, diretora da unidade setorial da Seds (Secretaria de Estado de Defesa Social), ainda é cedo para pensar na adoção do modelo em outras penitenciárias. Ela é responsável por atestar se os indicadores de qualidade previstos no contrato são cumpridos pela empresa.   

— Ainda é cedo para apresentar indicadores, mas acreditamos que a reincidência do preso será menor. É um espaço com oportunidade de trabalho e estudo para quem precisa de ressocialização.   

O Gerente Operacional do GPA, o consórcio que administra a PPP, Alfredo Sales, resume a parceria.   

— O Estado cedeu o terreno. Temos que devolver à administração pública em 27 anos com a tecnologia adequada. Tenho certeza que os presídios privados são a saída para o sistema penitenciário.   

Últimas