Minas Gerais UFMG expulsa 22 estudantes por fraudes no sistema de cotas raciais 

UFMG expulsa 22 estudantes por fraudes no sistema de cotas raciais 

Processo de apuração começou em junho de 2017, quando a Universidade instituiu uma comissão para analisar denúncias

  • Minas Gerais | Mayara Folco, da Record TV Minas

Outros sete alunos serão suspensos por um semestre

Outros sete alunos serão suspensos por um semestre

Foca Lisboa | UFMG

A UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) vai desligar 22 estudantes que fraudaram o sistema de cotas da insituição. A decisão foi tomada pelo Conselho Universitário, que acolheu a recomendação de uma comissão disciplinar instaurada para apurar eventuais responsabilidades por uso irregular de cotas raciais para entrada na instituição de ensino.

Além do desligamento dos 22 alunos, outros sete serão suspensos por um semestre letivo. Nestes casos, o Conselho entendeu que não houve má-fé dos estudantes ao se autodeclararem negros. 

O processo de apuração das irregularidades começou em junho de 2017, quando a universidade instituiu uma comissão para analisar denúncias de supostas fraudes de estudantes recém-ingressados. Dez acusações foram arquivadas por envolverem estudantes que já se desligaram da instituição.

Em 17 casos, houve arquivamento por improcedência da denúncia. A investigação seguiu com 29 casos, recomendando a aplicação de sanção disciplinar, por não se tratar do público alvo da cota.

A reitora da UFMG, Sandra Regina Goulart Almeida, que preside o Conselho Universitário, ressalta que os processos correram em sigilo.

— Isso ocorreu para assegurar o amplo direito à defesa e a lisura da investigação. Ao mesmo tempo que defende as cotas étnico-raciais como política pública, a UFMG zela pelos princípios democráticos que preservam os direitos da sociedade e garantem o respeito às leis e à justiça.

Últimas