Novo Coronavírus

Minas Gerais Vacina da UFMG contra covid-19 deve ser testada até o fim de 2021

Vacina da UFMG contra covid-19 deve ser testada até o fim de 2021

Universidade fechou acordo com os Governos Estadual e Federal para potencializar pesquisas de imunizantes em Minas

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Governo de Minas

Governo de Minas

Pedro Gontijo/Imprensa MG

A UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) deve começar a testar em humanos sua vacina contra a covid-19 até o fim de 2021. Atualmente, o Estado ainda não produz nenhum imunizante contra a doença.

O prazo foi previsto pela direção da universidade após a instituição fechar um acordo com o Governo de Minas e o MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações) que deve potencializar as pesquisas relacionadas a vacinas feitas pelo CT-Vacinas, da UFMG, e laboratórios estaduais.

Até o momento, a vacina desenvolvida pela universidade foi testada apenas em camundongos. Segundo os pesquisadores o resultado foi “bem-sucedido”. Agora, o grupo de pesquisas aguarda a chegada dos recursos para os testes clínicos.

Leia também: Governo de Minas diz não ter capacidade para produzir vacina

As fases 1 e 2 devem custar de R$ 15 milhões a R$ 20 milhões. A terceira etapa, que antecede a liberação pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ainda não teve os gastos calculados.

Sandra Regina Goulart, reitora da UFMG, avalia que o acordo vai fortalecer a produção nacional de diferentes vacinas e reduzir a dependência do Brasil em relação ao mercado externo.

— O CT-Vacinas da UFMG tem tido papel importante na testagem diagnóstica e está trabalhando no sentido de desenvolver uma vacina nacional para a covid-19, além de outros estudos relevantes para o campo das vacinas.

A expectativa da universidade é que o acordo firmado garanta o desenvolvimento das próximas fases da pesquisa da vacina contra covid-19, que começou no início de 2020, antes mesmo da OMS (Organização Mundial da Saúde) declarar a pandemia mundial. A tecnologia usada é similar à da Universidade de Oxford.

Últimas