tragédia brumadinho
Minas Gerais Vale diz que rio atingido por lama de Brumadinho está se recuperando

Vale diz que rio atingido por lama de Brumadinho está se recuperando

Empresa emitiu uma nota afirmando que as águas do rio Paraopeba estão voltando ao normal, após quatro meses do rompimento de barragem

Rio que corta Brumadinho foi atingido por lama

Rio que corta Brumadinho foi atingido por lama

Reuters / Washington Alves / 25.01.2019

A Vale informou, nesta quarta-feira (5), que passados quatro meses do rompimento da sua barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho, em Minas Gerais, já é possível afirmar que o rio Paraopeba, atingido pela tragédia ocorrida, que matou quase 300 pessoas, começou a voltar à sua condição original. A mineradora afirma ainda que os rejeitos lançados pelo rompimento não vão atingir o rio São Francisco, o que era um grande temor de ambientalistas.

De acordo com a Vale, cerca de 77% dos rejeitos ficarão retidos no reservatório da usina de Retiro Baixo e os outros 23% no reservatório da hidrelétrica de Três Marias. "Ambos reservatórios possuem ampla capacidade de retenção do sedimento", informou a empresa em nota.

Segundo a companhia, desde o fim de março, o Igam (Instituto Mineiro de Gestão de Águas) não detecta níveis de mercúrio e chumbo acima dos limites legais. A presença desses metais pesados foi o que levou a autarquia estadual a proibir a captação direta da água do rio. A proibição ainda se mantém como medida preventiva.

Até o momento, de acordo com a Vale, foram realizados aproximadamente 1,4 milhão de análises de água, sedimentos e rejeitos, considerando 393 parâmetros.