tragédia brumadinho
Minas Gerais Veja quem são os funcionários da Vale presos em investigação 

Veja quem são os funcionários da Vale presos em investigação 

Operação realizada pelo MP em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro prendeu oito pessoas nesta sexta-feira (15) 

Prisões aconteceram em Minas Gerais

Prisões aconteceram em Minas Gerais

Reprodução / Record TV Minas

Oito funcionários da mineradora Vale foram presos, na manhã desta sexta-feira (15), durante investigação sobre o rompimento da barragem de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Sete prisões aconteceram na capital mineira e uma em Itabira, a 111 quilômetros de BH. A operação também conta com ações no Rio de Janeiro e São Paulo. Quatorze mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos três Estados.

Defesa Civil confirma 166 mortes em rompimento de barragem da Vale

Veja quem são os presos:

     • Joaquim Pedro de Toledo – Gerente-executivo de geotecnia operacional

Ele era responsável por gerenciar a equipe que faz o monitoramento e manutenção da barragem rompida. Segundo o MP, “qualquer anomalia era a ele comunicada por seus subordinados”.

     • Renzo Albieri Guimarães Carvalho – integra a gerência de geotecnia

Responsável pelo monitoramento e manutenção da barragem rompida.

    • Cristina Heloiza da Silva Malheiros – integra a gerência de geotecnia

Responsável pelo monitoramento in loco e manutenção da barragem. Segundo a Justiça, ela foi “amplamente referenciada pela gestão da barragem I” nos depoimentos dos primeiros funcionários presos.

    • Artur Bastos Ribeiro – membro da gerência de geotecnia

Responsável pelo monitoramento e manutenção da barragem. Ele teria participado ativamente da conversa entre funcionários da Vale e da Tüv Süd nos dias 23 e 24 de janeiro deste ano, às vésperas do rompimento.


    • Alexandre de Paula Campanha – Gerente-executivo de geotecnia corporativa

Responsável por canalizar informações sobre questões de geotecnia, dentre elas a estabilidade de barragens. Segundo a Justiça, Campanha era responsável pela “regularidade formal das estruturas a partir do controle de revisões periódicas e auditorias técnicas”.

    • Marilene Christina Oliveira Lopes – membro do setor de gestão de riscos geométricos

Participava do gerenciamento de dados corporativos que avaliam a qualidade das estruturas. Integrava o setor que colocou a barragem I na “zona de alerta”.

    • Hélio Márcios Lopes da Cerqueira -  membro do setor de gestão de riscos geométricos
Participava do gerenciamento de dados corporativos que avaliam a qualidade das estruturas. Integrava o setor que colocou a barragem I na “zona de alerta”.

    • Felipe Figueiredo Rocha - membro do setor de gestão de riscos geométricos

Participava do gerenciamento de dados corporativos que avaliam a qualidade das estruturas. Integrava o setor que colocou a barragem I na “zona de alerta”.

Operação

Operação investiga responsabilidade de tragédia

Operação investiga responsabilidade de tragédia

Gazeta Digital

Entre os detidos, está o gerente-executivo de geotecnia corporativa da Vale, Alexandre de Paula Campanha. Segundo o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), o engenheiro Makoto Namba, da empresa alemã Tüv Süd, disse em depoimento que se sentiu pressionado por Campanha a assinar o laudo que atestou a segurança da barragem.

Os oito presos foram levados para o Dema (Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente), na região Centro-sul de Belo Horizonte, onde devem ser ouvidos por membros do Ministério Público. As prisões são preventivas e têm validade por 30 dias.

A reportagem tenta contato com a defesa de todos os oito detidos. Procurada pelo R7, a Vale informou que está cooperando com as investigações.

Confira a íntegra da nota da Vale:

"A Vale informa que, nesta data, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais deflagrou operação com o objetivo de cumprir novos mandados de busca e apreensão e de prisão temporária relacionados ao rompimento da barragem da mina do Córrego de Feijão.

A Vale está colaborando plenamente com as autoridades e permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas."