Minas Gerais Viaduto atingido por carreta não corre risco de cair, diz prefeitura

Viaduto atingido por carreta não corre risco de cair, diz prefeitura

Veículo que transportava uma retroescavadeira ficou preso enquanto passava pelo local; obras de reparação começam ainda nesta segunda-feira (20)

Veículo ficou preso na estrutura

Veículo ficou preso na estrutura

Divulgação / Defesa Civil

A Prefeitura de Belo Horizonte informou, na manhã desta segunda-feira (20), que o viaduto do Complexo da Lagoinha atingido por uma carreta não corre risco de desabamento. O acidente aconteceu na noite desse domingo (19), quando o veículo tentou passar pelo local transportando uma retroescavadeira e ficou preso.

O braço da máquina esbarrou em quatro vigas de metal e em outras 12 de concreto. A estrutura foi avaliada por técnicos da Sudecap (Superintendência de Desenvolvimento da Capital) nesta manhã. Representantes da Defesa Civil também estiveram lá e informaram que apesar dos estragos, não há risco de desmoronamento. 

Segundo a PBH, as vigas afetadas vão passar por obras de recuperação que já começam nesta tarde. Os custos serão arcados pela empresa responsável pelo acidente. A previsão é de que o serviço seja concluído em uma semana.

O limite de altura na via é de 4,5 metros. A TM Terraplanagem, dona do equipamento, informou que o caminhão e a retroescavadeira juntos não atingem a marca e que está investigando o que aconteceu. Segundo a coordenadora da empresa, Renata Costa, a suspeita é de que a carga tenha sido mal colocada na carroceria.

— Já tem uma equipe para apurar isso. Lá é um local por onde temos costume de passar com esse equipamento e isso nunca aconteceu antes.

Trânsito

A carreta foi retirada do viaduto durante a madrugada. Para isso, foi necessário esvaziar os pneus do veículo. Mesmo assim, o trânsito na região continuou interditado para avaliação da estrutura atingida.

Limite de altura no local é de 4,5 metros

Limite de altura no local é de 4,5 metros

Divulgação / Defesa Civil BH

A BHTrans mudou o sentido de algumas faixas na região e criou desvios para tentar evitar grandes congestionamentos. Para os motoristas que vêm da avenida Cristiano Machado, a empresa fez uma inversão de uma faixa de trânsito para que houvesse o acesso à avenida Nossa Senhora de Fátima e à área central. Para quem vem da avenida Antônio Carlos, a solução é passar pela área central, pois o acesso à avenida Nossa Senhora de Fátima está interditado.

Por volta das 11h, foi liberada a primeira agulha de acesso da avenida Antônio Carlos ao viaduto Oeste. Segundo a BHTrans, o trânsito no local é bom em ambos os sentidos.

Por causa das obras de reparo, duas das quatro faixas permanecerão interditadas, por risco de queda de material de construção. A prefeitura informou, ainda, que a parte de cima do viaduto continua temporariamente interditada até a conclusão das obras "para evitar trepidação causada pelo tráfego de veículos".

Veja mais: