Novo Coronavírus

Minas Gerais Zema alerta para risco de falta de medicamentos para intubação 

Zema alerta para risco de falta de medicamentos para intubação 

Em reunião com Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, governador cobrou repasse de insumos para hospitais

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento e Célio Ribeiro*, do R7

Secretário de Saúde também esteve na reunião

Secretário de Saúde também esteve na reunião

Divulgação / Gil Leonardi / Agência Minas

O Governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou, nesta sexta-feira (26), que a falta de insumos para intubação de pacientes com covid-19 no Estado pode “custar a vida de pessoas”.

A frase foi dita durante a primeira reunião do Comitê Gestor Nacional de Enfrentamento da Pandemia. Ele informou que a situação é preocupante e atrapalha, principalmente, o atendimento de pacientes com quadros mais graves da doença.

— Um dos problemas que estamos enfrentando é a redução do estoque de medicamentos, principalmente sedativos. Se não houver fornecimento breve, logo teremos falta de insumos que poderão custar a vida de pessoas. Esse problema tem que ser tratado urgentemente.

Veja: Lojas da família Zema são flagradas abertas em meio a 'lockdown'

Zema, que participou do encontro de forma virtual, pediu que o calendário do PNI (Plano Nacional de Imunização) priorize a vacinação de professores e agentes das forças de segurança assim que os idosos de 60 anos forem imunizados.

—  Eles precisam ter prioridade, mas o calendário nacional precisa ser alterado para atender categorias tão importantes. Pelo Plano Nacional, a expectativa é que a vacinação de todos os idosos aconteça ainda no mês de abril.

Minas Gerais aplicou, até esta sexta-feira (26), 1.636.476 vacinas contra a covid-19, sendo 1.182.035 válidas como 1º dose e 454.441 como 2º dose. Trabalhadores da Saúde, população indígena, idosos e deficientes moradores de residências inclusivas são os grupos que estão sendo imunizados.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas