Brasil enfrenta Alemanha na estreia da Copa do Mundo

Duda Amorim e Alê Nascimento são remanescentes do título de 2013 e são uma das referências técnicas da seleção

Duda Amorim e Alê Nascimento são remanescentes do título de 2013 e são uma das referências técnicas da seleção

Duda Amorim e Alê Nascimento são remanescentes do título de 2013 e são uma das referências técnicas da seleção

Folha de Pernambuco

Hexacampeã pan-americana, a seleção brasileira feminina de handebol estreia na Copa do Mundo da modalidade, que neste ano tem o Japão como sede. O time terá como primeiro compromisso a Alemanha, pelo Grupo B, na madrugada desta sexta-feira (29) para o sábado (30), às 3h. Entre os destaques do time brasileiro, estão as experientes Alê Nascimento, de 38 anos, e Duda Amorim, de 33. Ambas já conquistaram o prêmio de melhor jogadora do mundo em 2012 e 2014, respectivamente, e integraram o grupo campeão do mundo em 2013. Além delas, a goleira pernambucana Renata Arruda também exerce papel importante na equipe.

A chave brasileira é considerada a mais difícil do Mundial. Além da Alemanha, as comandadas do técnico espanhol Jorge Dueñas ainda terão pela frente as atuais campeãs do mundo e medalhistas de prata nos Jogos Olímpicos do Rio-2016, a França. Dinamarca e Coreia do Sul, que já foram campeãs do mundo e emanam respeito pela tradição no handebol, também compõem o grupo junto com a Austrália.

Já no Japão, as atletas utilizaram a Japan Cup 2019 como preparação para o Mundial. O torneio reuniu as donas da casa junto com a França e Eslovênia. A seleção terminou em terceiro lugar, atrás da Eslovênia, mas demonstrou evolução, principalmente no jogo contra as asiáticas, o último da preparação. “Perdemos os primeiros jogos e isso foi importante para analisar o futuro. Saímos mais confiantes", analisou Jorge Duñas. "Se tivéssemos ganhado todos os jogos poderia ser bom, mas também poderia trazer excesso de confiança. Portanto, temos que ter humildade no trabalho e saber que cada jogo é diferente. Estarmos concentrados para jogar bem o Mundial”, finalizou.

Leia também:
Escola de Paulista emerge como nova força do handebol
Trio muda vida por sonho no handebol
Precoce, Renata Arruda é aposta da nova safra do handebol
Brasil conquista hexa no handebol e garante vaga olímpica


Destaque da seleção campeã do mundo em 2013, Samira Rocha não foi convocada. No entanto, Pernambuco continua bem representado. Desta vez, o Estado terá a presença da goleira Renata Arruda. Campeã e destaque na final dos Jogos Pan-Americanos de Lima, a arqueira de 20 anos jogará seu primeiro mundial e é uma das principais apostas da nova safra do handebol.

Depois do jogo da Alemanha, o Brasil voltará à quadra neste domingo (1), contra as atuais campeãs mundiais, França. A partida será novamente às 3h. O confronto tende a ser o mais difícil que brasileiras terão no grupo. Em caso de vitória, a seleção brasileira pode se colocar em uma situação positiva na chave, isso, evidentemente, se a equipe obtiver um bom resultado na estreia.