Brasil terá falta de leitos mesmo em cenário mais otimista

As maiores carências estão na rede pública e nas regiões mais pobres do país, Norte e Nordeste

As maiores carências estão na rede pública e nas regiões mais pobres do país, Norte e Nordeste

As maiores carências estão na rede pública e nas regiões mais pobres do país, Norte e Nordeste

Folha de Pernambuco

O avanço do coronavírus submeterá os hospitais brasileiros a pressões significativas mesmo se o contágio da população evoluir de forma lenta nos próximos meses, sugerem projeções de pesquisadores que estudam o impacto potencial da doença no sistema de saúde pública. Como a epidemia ainda está em estágio inicial no Brasil, é cedo para previsões seguras sobre sua evolução, dizem os especialistas. Mas os estudos em andamento podem ajudar a identificar áreas despreparadas para lidar com a disseminação do vírus e a acelerada multiplicação de casos.

Cálculos de um grupo ligado ao Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) indicam que grande parte dos municípios teria dificuldades mesmo com taxas de infecção relativamente baixas se a contaminação aumentar muito rapidamente. Num cenário em que 0,1% da população contrairia o vírus em um mês, os pesquisadores mineiros preveem que faltariam leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para o atendimento dos casos mais graves em 44% das regiões em que o Sistema Único de Saúde (SUS) agrupa os municípios do país.

Leia também:
Pernambuco tem 30 novos casos e uma morte por coronavírus em 24h
Quase 50% dos novos leitos de Pernambuco estão ocupados
Ministério da Saúde diz que primeiro caso de coronavírus no Brasil é, na verdade, de janeiro

Uma taxa de infecção de 0,1% será alcançada no Brasil quando 210 mil pessoas tiverem contraído o novo coronavírus. As estatísticas do Ministério da Saúde apontam 7.910 casos confirmados até esta quinta (2), mas há evidências de que muitos casos não têm sido notificados por falta de testes. Com base na experiência de países atingidos antes pela pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que 14% das pessoas infectadas pelo coronavírus precisarão de internação hospitalar e ao menos 5% precisarão de atenção maior e de equipamentos das UTIs.

Num cenário mais pessimista, em que o contágio atingiria 1% da população em um mês, os hospitais de 95% das regiões ficariam sobrecarregados, sem leitos para os casos mais graves, diz o grupo da UFMG. Em 51% das regiões, também não haveria aparelhos de ventilação pulmonar suficientes para auxiliar os doentes. O Brasil tem pelo menos 33 mil leitos de UTI disponíveis para pacientes adultos no SUS e nos hospitais particulares, sem contar leitos para recém-nascidos e crianças, mas a distribuição é desigual. As maiores carências estão na rede pública e nas regiões mais pobres do país, Norte e Nordeste.

Muitos municípios que ficarão sem condições de atender os pacientes mais graves com o avanço da Covid-19 poderão recorrer à estrutura disponível em cidades maiores de suas regiões, mas essa opção também dependerá da intensidade com que elas forem atingidas pela epidemia, dizem os especialistas. "Em muitos desses lugares, é possível que a oferta de ambulâncias equipadas e profissionais preparados para o transporte dos doentes que necessitarão de maiores cuidados seja mais decisiva do que a disponibilidade de leitos", afirma o demógrafo Gilvan Guedes, um dos pesquisadores do grupo da UFMG.

Simulações feitas por outro grupo, liderado pela professora Marcia Castro, da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos EUA, sugerem que haverá problemas em poucas semanas no Brasil se a doença evoluir no mesmo ritmo observado na China, epicentro da pandemia.

Na cidade de São Paulo, faltariam leitos comuns e leitos de UTI a partir da segunda quinzena deste mês, de acordo com a maioria dos cenários estudados pelo grupo –a Prefeitura de São Paulo anunciou essa mesma previsão nesta quinta. Se 12% dos infectados precisarem de cuidados especiais, como aconteceu na Itália, os recursos dos hospitais se esgotariam em poucos dias. Segundo o Ministério da Saúde, a oferta de um leito de UTI para cada 10 mil habitantes é o mínimo necessário para atender a população, mas esse parâmetro é adequado para um ano típico, não para uma situação excepcional como a que o país enfrenta com a pandemia do coronavírus.

Segundo o Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS), a oferta de leitos de UTI nos hospitais do SUS é inferior ao mínimo necessário em 72% das regiões definidas pelos gestores do sistema, onde vive 56% da população brasileira e 61% das pessoas sem cobertura de planos de saúde privados.

As simulações feitas pelos grupos da UFMG e de Harvard indicam que as dificuldades serão menores se os leitos de UTI e outros recursos disponíveis nos hospitais privados também puderem ser usados por doentes sem plano de saúde, que dependem exclusivamente da rede pública. Mas o ganho seria limitado mesmo assim. De acordo com os cálculos do grupo liderado por Marcia Castro, se os governos assumissem o controle dos hospitais privados no Brasil para enfrentar a epidemia, como ocorreu na Espanha, o esgotamento da oferta de leitos seria adiado por apenas uma semana.

Estimativas de outro grupo de pesquisadores, orientado pelo professor Gonzalo Vecina Neto, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, indicam que medidas de gestão nos hospitais e investimentos para ampliar a oferta de leitos contribuiriam mais para evitar o colapso. "Os hospitais continuarão tendo que atender outros doentes na epidemia, mas muitas cirurgias poderiam ser suspensas, abrindo uma janela para aliviar o sistema", diz Vecina, que chefiou a Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária e foi superintendente do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Num cenário em que a contaminação evoluísse no ritmo observado em Wuhan, cidade chinesa onde os primeiros casos foram registrados, e a taxa de infecção da população atingisse 0,5% em 79 dias, faltariam 30 mil leitos de UTI no país para atender os casos mais graves, calcula o grupo. Se cirurgias eletivas fossem suspensas, o que poderia liberar 30% dos leitos existentes nas UTIs, segundo Vecina, as necessidades cairiam para 16,7 mil leitos. Com investimentos para ampliar em 10% a capacidade dos hospitais, o número cairia para 12,7 mil –ou seja, uma redução de 57%.

Em São Paulo, estado com o maior número de casos registrados até agora, esse efeito seria maior. Segundo os cálculos do grupo de Vecina, a suspensão de cirurgias eletivas e o investimento nas UTIs reduziriam de 6.400 para apenas 147 a necessidade de novos leitos para tratamento da Covid-19 nesse cenário. Em todos esses estudos, os pesquisadores usaram estatísticas sobre a incidência da doença na China, nos EUA e na Europa para calcular seu impacto no Brasil, sem considerar os efeitos que providências adotadas por prefeitos e governadores nas últimas semanas podem ter no controle da contaminação.

Medidas drásticas de isolamento social como as que vigoram na maioria dos estados tendem a reduzir o ritmo de transmissão do coronavírus, evitando que idosos e outros grupos mais vulneráveis sejam infectados e atenuando a pressão sobre o sistema.

Outras medidas teriam efeito semelhante. "Fortalecer profissionais da atenção primária para que sejam capazes de identificar casos de contaminação e acompanhar sua evolução ajudaria a ganhar tempo, garantindo o encaminhamento só dos casos mais graves aos hospitais", afirma Guedes, da UFMG.

Hospitais de campanha estão sendo construídos em São Paulo e no Rio para atender casos mais leves, o que aliviaria as UTIs. Ainda assim, especialistas defendem maior coordenação entre as várias esferas de governo para evitar desperdício de recursos.

"Há muitos leitos desativados nos hospitais que poderiam ser reativados com custo menor para os governos", diz Adriano Massuda, ex-secretário de Saúde de Curitiba e hoje na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

+ Coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo  + Coronavírus na Política + Coronavírus na Economia + Coronavírus em Diversão&Arte + Coronavírus no Esporte