Folha de Pernambuco China confisca mais de 89 milhões de máscaras por má qualidade

China confisca mais de 89 milhões de máscaras por má qualidade

E a demanda por equipamentos de proteção aumentou na China, o principal fornecedor mundial

E a demanda por equipamentos de proteção aumentou na China, o principal fornecedor mundial

E a demanda por equipamentos de proteção aumentou na China, o principal fornecedor mundial

Folha de Pernambuco

A China anunciou neste domingo (26) que confiscou mais de 89 milhões de máscaras faciais de baixa qualidade, à medida que crescem reclamações em todo o mundo de que muitos produtos importados do gigante asiático para combater o coronavírus violam os padrões mínimos de qualidade.

Desde seu surgimento na China, em dezembro, o vírus já infectou mais de 3 milhões de pessoas em todo o mundo e causou mais de 200.000 mortes. E a demanda por equipamentos de proteção aumentou na China, o principal fornecedor mundial.

Leia também:
Com máscaras e receio, 2 estados testam abertura lenta nos EUA
China garante ser transparente na luta contra coronavírus

Nas últimas semanas, vários países europeus como Espanha, Holanda ou Finlândia se queixaram das máscaras que receberam da China, considerando que não atendiam aos padrões de qualidade.

Até sexta-feira, mais de 89 milhões de máscaras consideradas não conformes foram confiscadas e 418.000 peças de equipamento de proteção, disse o chefe da administração de supervisão de mercado, Gan Lin, em entrevista coletiva. A proporção dos produtos confiscados e exportados não foi especificada.

Segundo Gan, também foram confiscados desinfetantes fora dos padrões. O valor das mercadorias é avaliado em 7,6 milhões de yuans (cerca de um milhão de euros).

Pequim reforçou no início deste mês os regulamentos sobre a exportação de equipamentos médicos para combater o coronavírus, exigindo que os produtos atendam aos padrões da China e dos países destinatários. Desde sábado, essa medida também se aplica a máscaras não cirúrgicas, de acordo com uma declaração do Ministério do Comércio.

O Canadá indicou na sexta-feira que cerca de um milhão de máscaras importadas da China não poderão ser distribuídas entre os profissionais da saúde mobilizados contra o coronavírus. Até sexta, a China havia exportado mais de 1 bilhão de máscaras para 74 países e regiões, segundo Li Xingqian, funcionário do Ministério do Comércio.

Últimas