Com paralisação, Santa e patrocinadores chegam a renegociação

Três empresas que patrocinam o Tricolor terão 50% dos valores reduzidos durante três meses. Segundo o coordenador do Núcleo de Gestão coral, Ítalo Mendes, a redução não significa perda para o clube

Três empresas que patrocinam o Tricolor terão 50% dos valores reduzidos durante três meses. Segundo o coordenador do Núcleo de Gestão coral, Ítalo Mendes, a redução não significa perda para o clube

Três empresas que patrocinam o Tricolor terão 50% dos valores reduzidos durante três meses. Segundo o coordenador do Núcleo de Gestão coral, Ítalo Mendes, a redução não significa perda para o clube

Folha de Pernambuco

Com as competições paralisadas devido à propagação do novo coronavírus, o Santa Cruz corre na tentativa de minimizar os prejuízos internos pela falta de jogos. Na última semana, o clube anunciou redução de aproximadamente 40% no quadro de sócios, além de tratativas com os patrocinadores que solicitaram redução, expansão contratual ou suspensão temporária do contrato. Segundo o coordenador do Núcleo de Gestão do clube, Ítalo Mendes, até o momento o que ficou acertado é que as mensalidades de três empresas sofreram redução de 50% por três meses, percentual, segundo o gestor, que será recompensado em seis meses, a partir de julho.

A redução refere-se à Krona, Ilumi e JBS. De acordo com Ítalo, o acordo passará a valer a partir deste mês e segue até junho. “Temos feito renegociações. Ao invés de ter uma redução para o clube perder, está tendo uma redução, onde a diferença será paga diluída em parcelas futuras. Reduzimos em 50% as parcelas de abril, maio e junho, e a diferença dessa redução será diluída nas parcelas de julho a dezembro. Por conta da pandemia temos que promover esse tipo de renegociação, mas acreditamos que em pouco tempo as coisas vão voltar ao normal”, explicou Ítalo. O valor global custeado pela Krona, empresa de tubos e conexões, é de 420 mil, ou seja, R$ 35 mil mensais.

Leia também:
Santa Cruz estende prazo para retorno de atividades no clube
Mais que o dobro dos gols do Santa nasceu de cruzamentos
Após perdas, Santa se desdobra para pagar salários com 'delivery'

O processo de negociação com a Estadium Bet, patrocinadora master do Santa Cruz, pode seguir pelo mesmo caminho. “Com a Estadium pode acontecer essa mesma situação, apesar de ainda não termos batido o martelo”. A empresa de apostas esportivas conseguiu quitar os meses de janeiro e fevereiro, ainda em falta o pagamento de março.

A empresa alemã também sofre com o fechamento de diversas lojas de apostas esportivas na Europa e nos próprios clubes que patrocina no Brasil, inclusive o Atlético-GO. Mesmo assim, segundo o dirigente, o empecilho para o repasse ao Santa se deu por questões burocráticas.

“Foram feitos alguns repasses, mas ficaram alguns valores pendentes, porque (a empresa) estava dependendo de recursos de fora do país, decorrente do processo de liberação para que as parcelas pudessem ser repassadas ao clube”, acrescentou.

Já com a Iquine, a tratativa é diferente, já que a empresa de tintas não renovou o contrato com o clube para o restante do ano de 2020. Ítalo destacou que ficou acertado o pagamento dos dois meses em que a marca foi estampada no uniforme tricolor este ano: janeiro, já quitado; e fevereiro, que deve ser pago neste mês. A Kicaldo, por outro lado, adiantou o pagamento anual que consta no vínculo entre as partes, enquanto a Pitú permanece efetuando os pagamentos mensais normalmente.