Com reserva de 1,5 bilhão de dólares, Fifa estuda 'ajuda' ao futebol mundial

A entidade máxima do futebol anunciou a criação de um grupo de trabalho para estudar as consequências da crise do coronavírus sobre o calendário internacional e as janelas de transferências

A entidade máxima do futebol anunciou a criação de um grupo de trabalho para estudar as consequências da crise do coronavírus sobre o calendário internacional e as janelas de transferências

A entidade máxima do futebol anunciou a criação de um grupo de trabalho para estudar as consequências da crise do coronavírus sobre o calendário internacional e as janelas de transferências

Folha de Pernambuco

A Fifa confirmou nesta terça-feira (31) que estuda um meio de "ajudar" o futebol mundial, em um momento em que a pandemia do coronavírus afundou os clubes e os campeonatos em uma crise sem precedentes.

A entidade, com sede na Suíça e que reafirmou ter uma situação econômica "sólida", com cerca de 1.5 bilhão de dólares em reservas, "reflete sobre as possibilidades de proporcionar uma ajuda à comunidade do futebol por todo o mundo", afirmou em comunicado enviado à AFP.

Em 18 de março, um dia depois do anúncio do adiamento da Eurocopa-2020 e da paralisação de todas as competições de clubes, nacionais e continentais, a Fifa anunciou a criação de um grupo de trabalho, composto pela entidade e as confederações, para estudar as consequências da crise do coronavírus sobre o calendário internacional e as janelas de transferências.

Leia também:
Seleção feminina sobe no ranking da FIFA e mostra evolução no pós-Copa
Fifa anuncia medidas para lidar com coronavírus e doação à OMS
Fifa comemora adiamento dos Jogos Olímpicos por dar 'prioridade' à saúde

A Fifa anunciou também a criação de um "potencial fundo de apoio" ao futebol mundial. Os detalhes relativos a este fundo poderão ser anunciados até o fim de semana, segundo fontes concordantes. A forma exata e os detalhes desta ajuda "estão atualmente em estudo e são discutidos em colaboração com as federações-membro da Fifa e outros patrocinadores".