Comerciantes do Pátio do Livramento serão realocados para o Cais de Santa Rita

O novo local de trabalho dos comerciantes será nos boxes construídos pela Prefeitura do Recife, no Cais de Santa Rita que substituirão as barracas informais nas ruas da Penha e Direita

O novo local de trabalho dos comerciantes será nos boxes construídos pela Prefeitura do Recife, no Cais de Santa Rita que substituirão as barracas informais nas ruas da Penha e Direita

O novo local de trabalho dos comerciantes será nos boxes construídos pela Prefeitura do Recife, no Cais de Santa Rita que substituirão as barracas informais nas ruas da Penha e Direita

Folha de Pernambuco

Os vendedores informais do pátio do Livramento, bairro de São José, centro do Recife, estão de mudança. O novo local de trabalho dos comerciantes será nos boxes construídos pela Prefeitura do Recife, no Cais de Santa Rita que substituirão as barracas informais nas ruas da Penha e Direita. A mudança acontece a partir deste domingo. Muitos vendedores reclamam da ação da prefeitura e dizem que no novo local não há muita clientela ou movimento.

Em um dos pontos com mais movimentado do centro do Recife, funcionam comércios informais que serão removidos pela prefeitura. Com mais de 30 anos de comércio, Marinalva Silva, 64 anos, não ficou satisfeita com a mudança do seu ponto em que vende roupas para bebês, hoje ele ainda funciona na rua Direita. “Implorei para a prefeitura deixar essa mudança para até o dia 21’’, falou a comerciante. Ainda segundo ela, a mudança, será para os boxes que construíram perto da rua de Santa Rita.

Leia também:
Comerciantes do Cais de Santa Rita recebem certificado de qualificação
Comerciantes da Praça do Tacaruna são realocados


A Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) diz que a negociação existe desde setembro de 2019. Cerca de 400 comerciantes informais que vendiam seus produtos já foram realocados para os boxes no Cais de Santa Rita no final do ano passado. Apenas faltam os 70 negociantes que serão removidos neste domingo.

A mudança também afeta a rotina de quem compra, e é habituado a encontrar os produtos como roupas de bebês, meias e fantasias em um mesmo local. A professora Geneide Justino, 52, é acostumada a comprar roupas para revender. “Vai ser ruim para encontrar os vendedores que eu já conheço, e sempre compro”, finalizou.

Geneide é cliente do comerciante Fábio dos Santos, 48. “Para a gente fica um pouco difícil, aqui já é um ponto histórico. Temos muitos clientes e sempre somos procurados pelos turistas que passam no centro do Recife”, falou o negociante.