De volta ao Recife, Débora diz que o acidente a faz insistir mais nos sonhos

Após dois meses e meio em tratamento no Hospital Especializado, em Ribeirão Preto, Débora retorna ao Recife para temporada de descanso e estudos

Após dois meses e meio em tratamento no Hospital Especializado, em Ribeirão Preto, Débora retorna ao Recife para temporada de descanso e estudos

Após dois meses e meio em tratamento no Hospital Especializado, em Ribeirão Preto, Débora retorna ao Recife para temporada de descanso e estudos

Folha de Pernambuco

Carregando muita força e determinação, Débora Dantas, vítima de escalpelamento em pista de kart no Recife, retornou à cidade após finalizar a primeira etapa da recuperação do tratamento realizado em Ribeirão Preto (SP). A jovem de 19 anos, que recebeu a alta médica do Hospital Especializado no último dia 12 de outubro, deve voltar à cidade paulista no primeiro mês de 2020 para iniciar os procedimentos de recuperação estética. Em entrevista à Folha de Pernambuco, Débora detalhou seu tratamento e conversou sobre sonhos e planos para o futuro.

Com todas as cicatrizes à mostra, a jovem não tem receio de mostrá-las e não mede esforços na hora de explicar com cuidado e didatismo o que cada uma delas significou, evidenciando o interesse escancarado pela medicina. Desde que sofreu o acidente na noite do último dia 11 de agosto na pista de kart localizada em Boa Viagem, a estudante tem sido submetida a diversos procedimentos médicos.

Além das marcas no couro cabeludo, Débora precisou retirar pele das coxas e músculos das costas para fazer enxertos na calota craniana que ficou exposta pelo acidente. Para realizar vascularização da área, foi necessário retirar uma veia da panturrilha e colocá-la na cabeça através de um procedimento delicado.

Quando questionada de onde saiu a força que a guiou durante todo o processo, Débora explicou que perseverança sempre esteve dentro dela, e que não foram necessários esforços para lutar porque isso sempre fez parte da realidade em que vive. “Eu sempre fui de correr atrás das coisas, é o meu jeito de lidar. Eu não conseguiria fingir ser outra, minhas ações foram espontâneas desde o começo, desde a hora do acidente, tudo foi meu”, conta.

Leia também:
'Teve negligência ou não teria acontecido”', diz Débora sobre o acidente no kart
Polícia não tem prazo para fim do caso Débora


Criada pela avó que faleceu em 2016, Débora precisou batalhar desde cedo para se sustentar, passando por muitos desafios que moldaram sua personalidade e fizeram com que ela ressignificasse o conceito de família. Hoje, ela encontra o lar no bairro do Ipsep, ao lado do noivo, Eduardo Tumajan, nos carinhos dos seus amigos e nos seus gatinhos de estimação. “Meu noivo é a minha nova família, a gente escolhe a nossa família quando perde”, revela. “O amor pelo próximo não é só dentro daquela instituição [família], não é só sangue, é quem você escolhe amar, é quem você escolhe acolher, meus gatinhos são o amor mais puro”, completa.

Após deixar o Recife de forma repentina, a volta à cidade significa um momento de pausa e de renovação, uma oportunidade para descansar e de se dedicar aos estudos antes de iniciar uma nova leva de cirurgias. Na preparação para tentar ingressar no curso de medicina, Débora esbanja determinação e planeja realizar o Exame do Ensino Médio (Enem) que acontece nos próximos dias 3 e 10 de novembro. A chama da paixão pela saúde e pelo cuidar ficou ainda mais forte após a vivência no hospital, que, acredita, lhe deu bagagem da prática médica e também noções de amor ao próximo.

“Eu ficava perturbando os médicos, querendo saber tudo”, explica. Para ela, o tempo passado no hospital vai ajudar na conduta com os futuros pacientes. “A experiência vai me ajudar a ter mais empatia com os meus pacientes e tratá-los com carinho e amor, do jeito que fizeram comigo”. Débora viu no acidente uma oportunidade para crescer e correr atrás dos sonhos com mais força de vontade do que nunca. “Quando acontece uma dificuldade, aí é que eu insisto mesmo em conseguir, sempre foi assim”, finaliza.