Deltan rejeita interesse em promoção que o afastaria do comando da Lava Jato

Ele poderia disputar, caso não recusasse, uma das dez vagas em aberto nas Procuradorias Regionais da República

Ele poderia disputar, caso não recusasse, uma das dez vagas em aberto nas Procuradorias Regionais da República

Ele poderia disputar, caso não recusasse, uma das dez vagas em aberto nas Procuradorias Regionais da República

Folha de Pernambuco

O procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, encaminhou nesta segunda-feira (21) ofício ao Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) afirmando não ter interesse em concorrer à promoção dentro da instituição no momento.

Ele poderia disputar, caso não recusasse, uma das dez vagas em aberto nas Procuradorias Regionais da República -nove em Brasília (DF) e uma em Porto Alegre (RS). Com o desinteresse, Deltan deve permanecer no posto atual, na capital paranaense.

Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná informou que Deltan tomou a decisão após conversar com os demais procuradores da força-tarefa e por conta de "aspectos pessoais e profissionais".

Leia também:
Deltan vê 'revanchismo' contra Lava Jato e critica recentes decisões do STF
Conselho nega afastamento de Deltan até julgamento de processo disciplinar
Deltan diz ser 'acusado ao mesmo tempo de ser de direita e de esquerda' 

O CSMP estipula regras de promoção dos seus membros por critérios de merecimento e antiguidade. Os nomes para ocupar as vagas devem ser decididos no próximo dia 5 de novembro. Os membros tinham até esta segunda para apresentar recusa aos postos.

Deltan coordena o grupo da Lava Jato em Curitiba há cinco anos. A promoção -e consequente saída da Lava Jato- poderia ser um escape para o procurador, cada vez mais pressionado na função, desde o vazamento de mensagens do aplicativo Telegram obtidas pelo site The Intercept, que geraram reportagens em parceria com outros veículos.