Dirigentes de Sport e Retrô descartam pedido de anulação do jogo

Ao anular e depois validar o gol de Hernane na última terça-feira (4), árbitro José Woshington violou a 5ª regra do futebol

Ao anular e depois validar o gol de Hernane na última terça-feira (4), árbitro José Woshington violou a 5ª regra do futebol

Ao anular e depois validar o gol de Hernane na última terça-feira (4), árbitro José Woshington violou a 5ª regra do futebol

Folha de Pernambuco

O Sport já volta a entrar em campo nesta quinta-feira (6), mas o gol de Hernane contra o Retrô segue rendendo assunto. Isso porque, o árbitro José Woshington não fez o que a regra pedia no momento ao anular o tento de Brocador e o jogo poderia ter que acontecer novamente. Entretanto, em contato com a reportagem da Folha de Pernambuco, dirigentes do Leão e da Fênix descartaram brigar por essa possibilidade.

Questionado sobre uma possível anulação da partida, o diretor de futebol do Sport, Nelo Campos, afirmou que "pelo que eu saiba, não queremos que o jogo aconteça novamente. Já estamos pensando na partida diante do Imperatriz, desta quinta", afirmou o dirigente leonino.

O diretor de futebol do Retrô, Gustavo Jordão, foi na mesma linha do colega rubro-negro. "De forma alguma queremos a anulação do jogo. Acredito que tenha sido um erro do árbitro, sem intenção de prejudicar. E, na minha opinião, o empate foi até justo", falou.

O árbitro José Woshington violou a regra número cinco do futebol. De acordo com a CBF, "o árbitro não pode alterar uma decisão, ainda que se convença do erro, quer por entendimento próprio ou em razão da opinião de outro árbitro da partida, se já houver reiniciado o jogo, ou se já houver saído do campo de jogo, após encerrar o primeiro tempo, a partida, ou uma prorrogação."

Segundo o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, "o jogo dificilmente acontecerá novamente. Só saberemos se foi um erro de fato ou de direito do árbitro depois de um extenso processo com apuração. Necessita de uma série de fatores, é uma coisa muito subjetiva", relatou o mandatário.