Ferramentas digitais recebem em Pernambuco R$ 1,3 milhão para combate ao novo coronavírus

Programa Desafio Covid-19 divulgou resultado nesta sexta-feira (27). Oito projetos foram selecionados e devem ser aplicados na rede de saúde em dez dias.

Programa Desafio Covid-19 divulgou resultado nesta sexta-feira (27). Oito projetos foram selecionados e devem ser aplicados na rede de saúde em dez dias.

Programa Desafio Covid-19 divulgou resultado nesta sexta-feira (27). Oito projetos foram selecionados e devem ser aplicados na rede de saúde em dez dias.

Folha de Pernambuco

Foram anunciados nesta sexta-feira (27) os oito projetos selecionados pelo Desafio Covid-19. O programa, realizado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) em parceria com o Porto Digital, destina R$ 1,3 milhão a ferramentas tecnológicas voltadas para o combate à pandemia do novo coronavírus. Entre as iniciativas contempladas, três são de Pernambuco; duas, do Rio de Janeiro; uma, do Rio Grande do Norte; uma, do Distrito Federal; e uma, de São Paulo. As plataformas deverão ser implantadas na rede pública de saúde em até dez dias.

O resultado da seleção, publicado no site do programa, foi divulgado em uma entrevista coletiva de imprensa virtual por meio de uma live no YouTube. De acordo com o presidente do Porto Digital, Pierre Lucena, o valor do financiamento será repartido entre as ideias beneficiadas. “Alguns recebem R$ 400 mil, outros, R$ 300 mil, R$ 200 mil. Isso depende da ferramenta e dos contratos de negociação da inovação aberta. A empresa coloca, na verdade, qual o custo para as soluções porque ela tem que contratar gente para fazer a codificação e a implantação. Para isso, serve o prêmio. Ninguém está pensando em obter lucratividade”, afirmou.

Leia também:
Em estudo global da OMS, Huoc testará pacientes para identificar tratamento da Covid-19
Tempo de vida do coronavírus em superfícies ainda desafia pesquisas
Tecnologia pretende ajudar recifenses a ficarem em casa


Os projetos selecionados são divididos em cinco desafios: Monitoramento dos grupos de risco; Gestão do fluxo de informações; Monitoramento dos fluxos populacionais para o cumprimento do isolamento social; Suporte aos profissionais de saúde e Aprimoramento de testes e diagnósticos. No primeiro eixo, se enquadra a plataforma Anjo Amigo, rede colaborativa desenvolvida em Pernambuco que se propõe a conectar o público idoso, fornecendo apoio e orientações durante o período de isolamento.

Também do Estado, foi contemplada a ferramenta Dynamic Covid Tracking, que lançará alertas de aglomerações em tempo real com base em geolocalização. Além disso, receberá o financiamento a Tecnologia de Geolocalização Aplicada da empresa In Loco, que já está sendo aplicada na capital pernambucana com apoio da Prefeitura do Recife. A plataforma criará campanhas pelo isolamento social para pessoas que não obedecerem às recomendações para evitar espaços de aglomeração.

As outras tecnologias escolhidas incluem canais de comunicação entre as equipes médicas, consulta para protocolos por profissionais de saúde e testes rápidos para identificação do vírus Sars-Cov-2 em cerca de quatro horas.

Segundo o secretário estadual de Saúde de Pernambuco, André Longo, as ferramentas vão ajudar a manter as medidas restritivas para circulação de pessoas. “Essa situação tem sido muito dinâmica. Hoje a nossa recomendação é de manutenção dessas medidas. A gente está avaliando diariamente. Mesmo no momento que se resolva fazer uma flexibilização, muitos especialistas falam que você não faz isso ao mesmo tempo. Hoje a gente está no isolamento horizontal, que precisa ser mantido por um tempo. Isso deverá ser definido de acordo com o comportamento da curva de aceleração [da epidemia]”, disse.