Laranja: coma até o bagaço

A laranja é muito conhecida pela vitamina C. Porém, ela também oferece: ácido fólico, cálcio, potássio, magnésio, fósforo e ferro

A laranja é muito conhecida pela vitamina C. Porém, ela também oferece: ácido fólico, cálcio, potássio, magnésio, fósforo e ferro

A laranja é muito conhecida pela vitamina C. Porém, ela também oferece: ácido fólico, cálcio, potássio, magnésio, fósforo e ferro

Folha de Pernambuco

Olá leitores e internautas que acompanham a coluna Saúde e Bem-Estar

Hoje vou falar de uma fruta que quase todo mundo gosta de consumir e sempre tem em casa: a laranja. Isso mesmo, a laranja. Já é uma fruta tão comum, mas que merece sempre a nossa atenção sobre os seus benefícios. A laranja é muito conhecida pela vitamina C.

Porém, ela também oferece: ácido fólico, cálcio, potássio, magnésio, fósforo e ferro. Contém fibras, pectina e flavonóides, que aumentam seu valor nutritivo. As laranjas têm propriedades antioxidantes (combate os radicais livres), anti-inflamatória, antitumoral e inibe a formação de coágulos no sangue, legal, não é? É no bagaço da laranja que são encontradas a maior parte das fibras.

No bagaço, temos a pectina. No intestino grosso, a pectina é fermentada e produz uma substância que previne contra câncer do intestino grosso. O bagaço da laranja também estimula o funcionamento do intestino. Tem o intestino preso? Consuma o bagaço da laranja para melhorar o fluxo intestinal.

Substitua as sobremesas, feito tortas e bolos, por duas laranjas, após 30 minutos da refeição, para melhor potencializar o ferro que você ingeriu e a vitamina E, encontrada em ovos, pimentões, sementes de girassol, castanhas, salmão, abacate.

Mesmo diante de tantos benefícios, não saia comendo laranja o dia todo, procure um médico para recomendar a ingestão diária desta fruta. Equilíbrio e variação no cardápio são importantes para sua saúde e bem-estar.

Busque sempre a sua melhor versão. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro

*Rafael Coelho (CRM: 23943/PE) é médico. Pautas para Jademilson Silva – Jornalista - DRT: 3468. E-mail: contato@jademilsonsilva.com

No Brasil, dados do IBGE apontam que 9,7 milhões apresentam perda auditiva

No Brasil, dados do IBGE apontam que 9,7 milhões apresentam perda auditiva

Folha de Pernambuco

No Brasil, dados do IBGE apontam que 9,7 milhões apresentam perda auditiva - Foto: Reprodução/Internet

Fones de ouvidos
No Brasil, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam que 9,7 milhões de pessoas apresentam perda auditiva, tem sido atribuído ao fone de ouvido o título de grande vilão e corresponsável por esse número. Cada vez mais comuns na rotina acelerada, o acessório pode oferecer grande perigo para os ouvidos, visto que o volume acima do recomendado é recorrente entre os mais jovens, usuários dos famosos “streamings” de música. “Apesar de liberar endorfina (hormônio do prazer), é importante lembrar que o som alto pode danificar o ouvido de qualquer pessoa, sendo de 80 decibéis o limite seguro de exposição ao som contínuo”, informa Ana Elizabeth – médica otorrinolaringologista do Hope.

Densitometria Óssea: além da osteoporose
A Densitometria óssea, método tradicionalmente recomendado para o diagnóstico de osteoporose, também é considerado o melhor para avaliar a composição corporal. “A Densitometria DEXA atua fazendo um tipo de scanner no corpo do paciente, dessa maneira, consegue diferenciar e quantificar a massa muscular, gorda e óssea,” afirma Marcos Miranda Filho, radiologista da Lucilo Maranhão Diagnósticos. “Ou seja, o paciente poderá programar sua atividade física e os hábitos nutricionais de maneira que atue diretamente na eliminação da gordura em áreas específicas, assim como focar em aumento de massa muscular” complementa.

Palavra do Especialista
Janeiro: mês de parabenizar os farmacêuticos

Neste mês de janeiro é celebrado o Dia do Farmacêutico. Há milênios a atividade já era exercida e de grande importância para a saúde. Lembram-se das boticas e dos boticários que usavam plantas, minerais para manipularem unguentos para cuidar de todos? Devido às guerras, esse cuidado se modificou e houve a necessidade do diagnóstico e da manipulação em grande escala.

Aqui no Brasil, o surgimento da farmácia teve início com os jesuítas, criadores das primeiras boticas. A vinda da família Real fez com que as primeiras escolas de farmácia e os primeiros farmacêuticos fossem graduados em 1900.

O profissional farmacêutico se transformou e continua a se desenvolver sempre, estando inserido no mercado desde a pesquisa dos medicamentos, no resgate da manipulação na farmácia magistral, participando ativamente do cuidado em saúde (desde o diagnóstico pelos exames laboratoriais até o consultório farmacêutico público, privado, no hospital), junto ao paciente.

Na atualidade, com a inovação e tecnologia andando de mãos dadas, estão inseridas no dia a dia desse profissional e impacta diretamente no que é oferecido à população, durante este cuidado da equipe multiprofissional de saúde.

Anualmente, são lançados diagnósticos e medicamentos novos, com menos efeitos colaterais, promovendo maior adesão às terapias, a partir de pesquisas na área de biotecnologia, especializando-se também em outras terapias não medicamentosas e sendo inseridas em outras áreas da saúde, podendo atuar na estética, na área de alimentos.

A formação acadêmica deste futuro profissional precisa ser qualificada, envolvendo a pesquisa e permitindo que o farmacêutico, na construção de conhecimentos técnicos e também no desenvolvimento de habilidades e atitudes, seja identificado como um referencial para a sociedade na área de saúde.

Flávia Morais é Farmacêutica e coordenadora do curso de Farmácia da FPS.

Últimas