Folha de Pernambuco Messi e Hamilton empatam e ganham prêmio Laureus em Munique

Messi e Hamilton empatam e ganham prêmio Laureus em Munique

O Brasil tinha três possibilidades de prêmio, com Ítalo Ferreira, Rayssa Leal e Chapecoense, mas não venceu;

O Brasil tinha três possibilidades de prêmio, com Ítalo Ferreira, Rayssa Leal e Chapecoense, mas não venceu;

O Brasil tinha três possibilidades de prêmio, com Ítalo Ferreira, Rayssa Leal e Chapecoense, mas não venceu;

Folha de Pernambuco

O argentino Lionel Messi conquistou, ao lado do piloto Lewis Hamilton, o prêmio de esportista do ano masculino no prêmio Laureus. A cerimônia aconteceu nesta segunda (17), em Munique. Pela primeira vez na história do evento, que completa 20 anos em 2020, uma votação terminou empatada. A única explicação para isso é um ou mais votantes não terem participado. O quórum é de 69 eleitores.

No ano passado, o atacante do Barcelona foi eleito melhor do mundo pela 6ª vez. Hamilton conquistou o quinto título da F-1. Eles derrotaram o golfista americano Tiger Woods, o tenista espanhol Rafael Nadal, o motociclista Marc Maquez (também espanhol) e o maratonista queniano Eliud Kipchoge. Lionel Messi não compareceu à cerimônia e gravou um vídeo de agradecimento. Lewis Hamilton esteve presente.
O Brasil tinha três possibilidades de prêmio, mas não venceu.

Na categoria dos atletas de esporte de ação, o país concorria com o surfista Ítalo Ferreira e a skatista Rayssa Leal. A vencedora foi a snowboarder Chloe Kim, 19. Aos 17 anos, em 2018, ela foi a mais jovem praticante da modalidade a ganhar medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno.

Para comemorar as duas décadas do Laureus, a organização instituiu o prêmio para o momento esportivo mais inspirador do período de 2000 a 2020. A recuperação da Chapecoense após a tragédia aérea de 2016 foi indicada, mas o vencedor foi o rebatedor indiano Sachin Tendulkar, que levou seu país ao título da Copa do Mundo de críquete de 2011 na sexta tentativa. Foi a primeira conquista da seleção depois de 28 anos. A seleção da África do Sul, campeã mundial de rúgbi foi eleita a melhor equipe do ano.

A melhor esportista feminina foi a ginasta americana Simone Biles, 22, que no mundial da modalidade em 2019 se tornou a atleta com mais medalhas da história da competição em qualquer gênero: foram 24.

Leia também:
Santa Cruz começa a colher frutos de experimentações
Apresentado, Daniel Paulista chega motivado ao Sport
Aflitos é arma do Náutico para eliminar Botafogo na Copa do Brasil

Últimas