Óleo já atingiu ecossistemas de 14 unidades de conservação do país

Entre as regiões afetadas estão parques nacionais, áreas de proteção ambiental, reservas extrativistas, reservas biológicas e áreas de interesse ecológico

Entre as regiões afetadas estão parques nacionais, áreas de proteção ambiental, reservas extrativistas, reservas biológicas e áreas de interesse ecológico

Entre as regiões afetadas estão parques nacionais, áreas de proteção ambiental, reservas extrativistas, reservas biológicas e áreas de interesse ecológico

Folha de Pernambuco

Uma vez por ano, peixes saem do alto-mar e nadam em direção ao estuário de rios como o Tatuamunha, em Alagoas, onde soltam os seus ovos. Ali, os peixes nascem protegidos pelas raízes dos manguezais e têm mais chances de sobrevivência.

À medida que vão amadurecendo, migram para áreas mais abertas, como os recifes de corais, até chegarem ao mar aberto na vida adulta. O ciclo está ameaçado após a chegada de toneladas de óleo à área de proteção ambiental Costa dos Corais, entre Alagoas e Pernambuco.

E esse é apenas um exemplo de como a contaminação por óleo pode quebrar o ciclo de diversas espécies marinhas do litoral brasileiro, com impacto também socioeconômico nas comunidades que vivem no seu entorno.

Leia também:
Pesquisadores encontram óleo em corpos de peixes e mariscos na Bahia
Pernambuco recolhe 1.358 toneladas de óleo em oito dias

Desde o início da chegada das manchas ao litoral nordestino, em 30 de agosto, 14 unidades de conservação federais foram atingidas pelo óleo. Entre as regiões afetadas estão parques nacionais, áreas de proteção ambiental, reservas extrativistas, reservas biológicas e áreas de interesse ecológico.

As regiões são consideradas sensíveis do ponto de vista ambiental por sua diversidade biológica, além de aspectos estéticos e culturais. Por isso, têm a sua ocupação e uso dos recursos naturais disciplinados por regras que visam garantir a sua sustentabilidade.

Uma das áreas mais atingidas pelo óleo foi a Costa dos Corais, segunda maior área marinha protegida do Brasil. Há cerca de dez dias, uma mancha gigante surgiu na região, que abriga o principal santuário de peixes-boi do país, em Porto de Pedras (a 113 km de Maceió).

De acordo com o biólogo Clemente Coelho Júnior, conselheiro da área de preservação Costa dos Corais, a área é sensível por abrigar estuários de rios, recifes e bancos de gramas marinhas, essenciais para a alimentação e proteção de várias espécies.

"A gente já percebe que todos esses ecossistemas foram atingidos. Sem dúvida estamos frente à maior tragédia ambiental do litoral brasileiro."

O biólogo ainda destaca o componente socioeconômico na contaminação da área de proteção: os ecossistemas locais são fundamentais para a pesca e para o turismo, principais atividades econômicas dos municípios da região.

No litoral sul de Alagoas, o óleo chegou na área de proteção ambiental de Piaçabuçu, onde fica a foz do rio São Francisco. Para evitar um dano maior no mais importante rio do Nordeste, barreiras de contenção foram instaladas na região da foz.

Nesta quarta (23), porém, uma grande quantidade de vôngoles – mariscos que localmente são chamados de massunins – apareceu morta na praia Pontal do Peba, dentro da área de proteção.

A morte em massa pode ter ocorrido por causa do óleo, já que os mariscos se alimentam filtrando a água que passa rente à areia. O Ibama afirmou que vai investigar as causas da morte dos animais.

Outras duas áreas de proteção ambiental também foram atingidas: Delta do Parnaíba (PI) e Barra do Rio Mamanguape (PB). Além disso, seis reservas extrativistas foram afetadas em cinco estados.

Entre os parques nacionais, o mais afetado foi o dos Lençóis Maranhenses. Somente nesta semana, 700 kg de óleo foram retirados da praia de Travosa, no município de Santo Amaro do Maranhão.

Há duas semanas, o óleo foi visto em outra área do parque: a praia de Atins, em Barreirinhas. Uma tartaruga foi encontrada coberta de óleo.

"Estamos monitorando a faixa costeira do parque para agir com rapidez caso chegue mais óleo", diz Lucas Garcez, chefe do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.

Também foi atingido, em menor proporção, o Parque Nacional de Jericoacoara, um dos principais destinos turísticos do Ceará. As manchas, que chegaram há cerca de um mês, já foram retiradas.

Além das unidades de conservação federais, o óleo atingiu áreas de proteção ambiental estaduais e municipais.

Só na Bahia, são sete áreas ambientalmente relevantes afetadas, como a baía de Todos-os-Santos, a Costa de Itacaré e Serra Grande, as ilhas de Tinharé e Boipeba. A área mais afetada, porém, foi o litoral norte, um dos principais berçários de tartarugas marinhas no país.