Folha de Pernambuco Preparador físico coral comenta possível retorno dos treinos: 'sem bola não é o ideal'

Preparador físico coral comenta possível retorno dos treinos: 'sem bola não é o ideal'

Na reunião realizada na segunda, através de videoconferência com representantes dos clubes pernambucanos, seguindo protocolo da CBF, a FPF sugeriu retorno aos treinos no fim de maio, antes de um possível retorno do Estadual

Na reunião realizada na segunda, através de videoconferência com representantes dos clubes pernambucanos, seguindo protocolo da CBF, a FPF sugeriu retorno aos treinos no fim de maio, antes de um possível retorno do Estadual

Na reunião realizada na segunda, através de videoconferência com representantes dos clubes pernambucanos, seguindo protocolo da CBF, a FPF sugeriu retorno aos treinos no fim de maio, antes de um possível retorno do Estadual

Folha de Pernambuco

Ainda não há definição sobre o retorno das competições nacionais e estaduais, paralisadas em decorrência do novo coronavírus. O que tem-se, por enquanto, são projeções de possíveis períodos para o início da normalização, ainda que a passos curtos, do cenário no futebol local, com a possibilidade levantada pela Federação Pernambucana de Futebol (FPF), na segunda, em videoconferência com representantes dos clubes pernambucanos, da realização de treinos exclusivamente voltados à preparação física dos atletas, entre o fim de maio e início de junho. Caso em um futuro próximo assim determinado, as movimentações devem acontecer sem bola e sem contato físico. Na reunião, a FPF reiterou que deve seguir os moldes de protocolo da CBF, e que um cenário concreto apenas será colocado em prática sob a permissão do Governo Estadual e da PCR.

Na reunião por vídeo, que entre outras questões discutiu possíveis cenários para o retorno do Estadual, o diretor de competições da FPF, Murilo Falcão, disse que a ideia é "encurtar a liberação da volta aos treinos físicos. Não os com bola (e contato), mas sim aqueles que estão sendo feitos na Alemanha e na Bélgica". O preparador físico do Santa Cruz, Carlos Gamarra, comentou o assunto com a Folha de Pernambuco, ainda sob o aguardo da definição de um cenário mais ventilado.

“Primeiro a gente tem que esperar quais serão os procedimentos e as orientações da parte médica de cada clube ou da CBF sobre o modo que eles querem que a gente proceda”, iniciou o preparador físico tricolor. Gamarra não encara a ideia levantada como sendo ideal no momento, destacando os processos que deveriam, inclusive, anteceder a previsão de retorno da competição.

“Quanto ao treinamento, a gente vai dar um jeito. Claro que (treinar somente o condicionamento físico) não é o ideal, porque a bola faz parte de todo o processo, além da parte técnica, tática e lógico, também, até mesmo os amistosos que são imprescindíveis para que voltasse o entrosamento normal da equipe. E aí, sim, depois começar os jogos oficiais e as competições normais. Então, sem bola não é o ideal, mas se for o recomendado a gente tem que aceitar, acatar e achar soluções para melhor proceder nesse momento”, comentou.

Leia também:
Santa Cruz estabelece novo prazo para retorno das atividades
Base do Santa teme cancelamento de competições por aperto no calendário
Segundo campo do CT do Santa Cruz a poucos passos de ser finalizado

Na Europa
O protocolo de treinamento citado pelo diretor de competições da FPF, em referência aos países europeus (Alemanha e Bélgica), é posto em prática com jogadores realizando os trabalhos físicos nos Centros de Treinamentos em pequenos grupos e separados para evitar aglomerações. Bayern de Munique, Borussia Dortmund e o Bayer Leverkusen foram alguns dos clubes alemães que voltaram à ativa nos moldes dos treinos especiais. Se as previsões sobre o controle da pandemia se concretizarem no país europeu, as Séries A e B serão reiniciadas em 9 de maio, sem a presença de público.

Cidades como Munique começa aos poucos a impulsionar medidas de afrouxamento do confinamento. Segundo infectologistas, no entanto, o país germânico pode agora começar a se preparar para uma segunda onda de contaminação do vírus, salvaguardando leitos já construídos em hospitais de campanha.

Na Bélgica, o RSC Anderlecht, atual oitavo colocado na Liga Belga, voltou aos treinos também sob medidas restritivas. Em 25 de março, a Pro League chegou a anunciar a decisão unânime pelo fim dos campeonatos profissionais, da primeira e segunda divisões do país. Na liderança da Série A, o Brugge seria declarado o campeão da temporada. A decisão, entretanto, acabou sendo adiada após a UEFA interferir ameaçando deixar os clubes belgas fora das competições europeias do próximo ano.

Ainda assim, deve-se levar em consideração o diferente contexto atravessado por cada país em meio à pandemia. Até a publicação deste texto, a Alemanha contabiliza 155 mil casos de pessoas com a Covid-19. A Bélgica registra 45.325 infectados, enquanto o Brasil aparece com 52.995 casos confirmados da doença. Em Pernambuco, o número de pacientes diagnosticados com coronavírus chegou a 4.507- os casos subiram em 508 em 24 horas-, sendo 381 óbitos e 202 casos de cura clínica, segundo o último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado, neste sábado.

As dúvidas ainda são muitas e cada decisão deve ser meticulosamente estudada antes de posta em prática para o bem das pessoas e do próprio futebol.

Últimas