Preso o suspeito de atirar em dois funcionários de hotel em Boa Viagem

O psicólogo que atingiu os funcionários do hotel, após agredir a esposa, foi preso nesta segunda-feira

O psicólogo que atingiu os funcionários do hotel, após agredir a esposa, foi preso nesta segunda-feira

O psicólogo que atingiu os funcionários do hotel, após agredir a esposa, foi preso nesta segunda-feira

Folha de Pernambuco

A Polícia Civil de Pernambuco prendeu o psicólogo suspeito de atirar contra dois funcionários de um hotel em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, após agredir a ex-esposa. Segundo a polícia, o homem, de 35 anos, foi preso na manhã desta segunda-feira (16), após ter comparecido à sede do Departamento de Homicídios e de proteção à Pessoa (DHPP), no Cordeiro, Zona Oeste do Recife.

O caso, que aconteceu na quarta-feira (4), foi registrado pelas câmeras de segurança do hotel. No vídeo, os seguranças tentam intervir quando o psicólogo tenta agredir a ex-mulher e são alvejados pelo homem, em seguida, os seguranças baleados fugiram pelo corredor.

De acordo com as investigações, conduzidas pela delegada Stephanie Araújo, o psicólogo João Raimundo, 35, já separado da esposa, estava morando no Recife quando cometeu o crime. No entanto, por conta de uma consulta médica que havia sido marcada para o filho de quatro meses, foi buscar o menino e a ex-esposa no município de Guabiraba, na Paraíba, onde moravam. Ao chegar na capital pernambucana, ficaram hospedados em um hotel em Boa Viagem.

Leia também:
Preso suspeito de clonar carros de luxo no Recife
Vestido de mulher, homem é preso ao tentar fazer prova de direção no lugar da mãe em RO

Segundo a Polícia Civil, o suspeito e a ex-esposa ingeriram bebida alcoólica no hotel na tarde do dia 3. No início da noite, o suspeito acionou a Polícia Militar, que compareceu ao local e, de acordo com as investigações, não identificou problemas graves e saiu do local.

A mãe do suspeito, acompanhada de outros familiares, compareceu ao hotel sob a justificativa de que precisava ver a criança. Com a arma do crime dentro da bolsa, a idosa, de 70 anos, entrou no hotel normalmente e foi falar com o filho e com a sua ex-companheira.

Segundo as investigações, a arma da idosa era registrada, mas ela não possuía o porte de armas, portanto, não poderia transitar pelo hotel com a arma. De acordo com a delegada, também há indícios de que a mãe do psicólogo também agrediu a mulher. A polícia também trabalha com a hipótese de que a mãe teria levado a arma ao hotel de forma premeditada.

Na madrugada da quarta-feira, dois funcionários do hotel identificaram uma confusão e foram ao quarto onde o casal estava hospedado. No quarto, os funcionários questionaram o psicólogo sobre o que estava acontecendo e trocaram agressões físicas com o suspeito.

Com o psicólogo distraído, a vítima saiu do quarto e foi guiada por um dos funcionários para uma área reservada do hotel. Após resgatar a vítima, o funcionário retornou ao quarto e foi atingido pelo psicólogo ainda no corredor. O suspeito efetuou mais disparos contra o outro funcionário.

O suspeito, então, saiu à rua armado e assaltou uma mulher, pegou o carro e dirigiu até o estado de Alagoas, onde abandonou o veículo.

As investigações indicam que o suspeito possui um histórico de violência doméstica, mas, no dia do crime, não chegou a ameaçar a mulher com a arma de fogo. Mandado de prisão temporária, válido por 30 dias, por tripla tentativa de homicídios. O suspeito ainda pode responder por outros crimes como tentativa de latrocínio, injúria e agressões.