Procon notifica iFood por 'golpe coronavírus' aplicado por entregadores

De acordo com o Procon, o iFood deverá informar ao órgão sobre os registros de aplicação do golpe e quais serão as medidas tomadas contra ele

De acordo com o Procon, o iFood deverá informar ao órgão sobre os registros de aplicação do golpe e quais serão as medidas tomadas contra ele

De acordo com o Procon, o iFood deverá informar ao órgão sobre os registros de aplicação do golpe e quais serão as medidas tomadas contra ele

Folha de Pernambuco

Com o isolamento motivado pela pandemia de coronavírus, muitos consumidores têm optado pela entrega de produtos e serviços via delivery, sem sair de casa.O que seria uma facilidade e uma forma segura de evitar a propagação do vírus, no entanto, acabou se tornando uma dor de cabeça para alguns paulistanos que fizeram pedidos pelo aplicativo de entrega de comida iFood nos últimos dias.

É o caso de um engenheiro de 29 anos que diz ter tido R$ 3.000 debitados da sua conta bancária após cobrança indevida do entregador. "Apesar de ter feito o pagamento online e pedir para que a entrega fosse deixada na minha portaria para evitar o contato, o entregador esperou e me disse que havia uma taxa de R$ 1,90 a ser paga, apenas por cartão. Achei estranho, porque isso nunca tinha acontecido, e disse que iria buscar minha carteira."

O engenheiro explica que, quando voltou, o motoboy retirou a máquina de cartão de débito para que ele concluísse o pagamento. O visor do aparelho, no entanto, estava quebrado, mas o entregador mostrou a tela do celular com o valor correspondente de R$ 1,90 para a transação.

Leia também:
Estados temem epidemias de dengue e outras doenças junto com coronavírus
Caixa amplia incentivos em financiamento imobiliário por conta do coronavírus


"Ele foi embora e, depois, recebi uma mensagem do meu banco dizendo que havia sido feita uma operação de R$ 3.000. Procurei a empresa pelo SAC, mas tudo o que disseram é que tentariam contato com o entregador."

O mesmo mecanismo foi usado com uma coordenadora de compras de 25 anos. No caso dela, a cobrança feita foi de R$ 5.000. "O entregador disse que, por causa do coronavírus, havia uma taxa obrigatória de R$ 3,99 a ser paga. Entregou-me a maquininha com a tela danificada e escura, mas vi o valor na tela do celular e digitei minha senha. Quando contei para meu marido o que havia acontecido, fomos consultar o cartão e havia uma cobrança de R$ 5.000." A consumidora diz que acionou o iFood e que, mesmo após o envio da cobrança no cartão de crédito, não houve resposta.

Procon
Após receber os relatos de leitores enviados pela reportagem, o Procon-SP notificou o iFood para que a empresa dê esclarecimentos, até esta quinta-feira (9), sobre providências adotadas quanto ao golpe praticado por entregadores na entrega do pedido.

De acordo com o Procon, o iFood deverá informar ao órgão sobre os registros de aplicação do golpe e quais serão as medidas tomadas contra ele. "É responsabilidade do aplicativo restituir os valores debitados desses consumidores, porque este entregador está na cadeia de fornecimento da empresa. É indiscutível a responsabilidade que a empresa tem sobre seus parceiros", diz Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP e Secretário Especial de Defesa do Consumidor do Estado.

Para consumidores que tenham sido lesados, a orientação é que seja feita uma reclamação por meio do site do Procon dos seus respectivos estados. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

+ Coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo  + Coronavírus na Política + Coronavírus na Economia + Coronavírus em Diversão&Arte + Coronavírus no Esporte