Folha de Pernambuco Secretários dizem que número de óbitos em PE ainda não é parâmetro

Secretários dizem que número de óbitos em PE ainda não é parâmetro

Pernambuco tem a taxa de letalidade mais alta do País entre os casos confirmados da Covid-19

Pernambuco tem a taxa de letalidade mais alta do País entre os casos confirmados da Covid-19

Pernambuco tem a taxa de letalidade mais alta do País entre os casos confirmados da Covid-19

Folha de Pernambuco

Os números do último boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE), nesta terça-feira (7), apontam uma letalidade de 9,6% entre os casos confirmados da Covid-19 no Estado. Uma leve queda em relação ao balanço da segunda-feira (6), que registrava 13%, mas um índice que continua sendo o maior entre todos os estados do País. 

Embora quantidade de óbitos em Pernambuco salte aos olhos (34), as autoridades de saúde alertam que o cenário relatado não corresponde à realidade local de fato. Isso porque não estão sendo feitos testes em massa. Ressaltam ainda a intensa fiscalização dos óbitos ocorridos com quadros sugestivos. 

"Nesse momento, Pernambuco tem taxa de mortalidade que a gente até questiona se é o melhor parâmetro porque a gente sabe que tem muitos casos leves não investigados. Talvez a melhor forma seja olhar o número de mortes por 100 mil habitantes. Pernambuco tem tido uma vigilância ativa. Estamos indo atrás de todos os óbitos. Às vezes, mostramos números duros, mas é uma estratégia da nossa vigilância mesmo, já que não temos uma capacidade grande de testagem. É importante que a população esteja esclarecida disso, pois não vamos abrir mão dessa investigação”, pontuou o secretário de Saúde do Estado, André Longo.

Leia também:
Pacientes graves da Covid-19 em PE ficam em média 18 dias na UTI
Novo coronavírus se espalha por municípios de Pernambuco
Ação distribuirá 494 mil EPIs para a rede pública de saúde
Médico é responsável por indicação de cloroquina para tratar coronavírus, diz Mandetta


O secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, reforça que, no momento, é difícil estabelecer tais parâmetros visto que não há números concretos que retratem abrangência do novo coronavírus no Estado. Por enquanto, a orientação é que sejam testados os casos graves, ou seja, os pacientes que evoluem com Srag, e aqueles vão a óbito apresentando sintomas equivalentes aos da Covid-19. Somente nesta semana é que foram iniciados os testes em profissionais da saúde, com mais de 50 resultados positivos, inclusive.

"Quando se testa mais o espectro mais grave, é natural que haja um número maior de óbitos. Essa observação tem que ser feita com o passar do tempo. Essa testagem deve ser coerente ao longo do processo. Focar nos casos mais graves e, à medida que a capacidade aumenta, colocar os profissionais de saúde, como tem sido feito, e as unidades sentinela. É quando teremos uma ideia melhor de como o vírus circula”, explicou Jailson Correia.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

+ Coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo  + Coronavírus na Política + Coronavírus na Economia + Coronavírus em Diversão&Arte + Coronavírus no Esporte

Últimas