Folha de Pernambuco TJPE mantém liberdade provisória de filho do médico morto em Aldeia

TJPE mantém liberdade provisória de filho do médico morto em Aldeia

Na decisão, os magistrados consideraram o cumprimento das medidas cautelares pelo réu, entre outros aspectos

Na decisão, os magistrados consideraram o cumprimento das medidas cautelares pelo réu, entre outros aspectos

Na decisão, os magistrados consideraram o cumprimento das medidas cautelares pelo réu, entre outros aspectos

Na decisão, os magistrados consideraram o cumprimento das medidas cautelares pelo réu, entre outros aspectos

Folha de Pernambuco

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), por unanimidade, em votação realizada na tarde desta quarta-feira (17), manteve a liberdade provisória de Danilo Paes Rodrigues, suspeito de ter participado na morte do pai, o médico Denirson Paes, em julho do ano passado, em Aldeia,na Região Metropolitana do Recife. O pedido para suspender a liberdade provisória de Danilo havia partido do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Danilo chegou a ficar mais de cinco meses detido no Complexo do Curado, no Recife, mas foi solto em dezembro de 2018 após pagar fiança de R$ 5 mil e entregar o passaporte à Justiça.

Leia também:
Inquérito aponta caso Mayara como tentativa de feminicídio
Família de adolescente morta em Maria Farinha realiza protesto no Recife


O voto do presidente da unidade judiciária de 2º grau e relator do acórdão, desembargador Antônio de Melo e Lima, foi acompanhado pelos desembargadores Mauro Alencar e Antônio Carlos. Na decisão, dentre outros aspectos, os magistrados consideraram o cumprimento das medidas cautelares pelo réu, bem como a permanência em endereço fixo, a inexistência de ameaça a testemunhas, a ausência de antecedentes criminais (primário) e que a liberdade foi concedida apenas após o término da instrução do processo na Justiça de Camaragibe.

A mãe de Danilo, Jussara Rodrigues da Silva Paes, que era casada com o médico na época do crime, continua presa na Penitenciária Feminina Bom Pastor, também na capital. A versão dela é que ela teria cometido o crime sozinha e em legítima defesa.