Morte de Marielle Franco

Política Caso Marielle: Porteiro nega versão em que citava voz de 'seu Jair'

Caso Marielle: Porteiro nega versão em que citava voz de 'seu Jair'

Em novo depoimento, funcionário não confirmou ter ouvido a liberação de Bolsonaro para entrada de um dos acusados do assassinato

  • Política | Do R7

Condomínio de Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro

Condomínio de Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro

Marcos Vidal/Futura Press/Estadão Conteúdo

Peça chave para compreensão do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, o porteiro do condomínio Vivendas da Barra, onde o presidente Jair Bolsonaro tem casa, corrigiu sua versão dos fatos.

Em nova declaração feita à Polícia Federal, ele não mais confirmou ter ouvido a voz do atual presidente liberando a entrada de um dos acusados do crime.

Nesta nova oitiva, o funcionário não confirmou sua própria versão inicial, dizendo ter anotado o número da casa errado na planilha do condomínio. Segundo o porteiro, o suspeito do assassinato da vereadora, Élcio Queiroz, iria para a "casa 66", mas ele teria anotado a "casa 58".

Em seu primeiro depoimento, dado à Polícia Civil do Rio de Janeiro entre os dias 7 e 9 de outubro, o porteiro citava ter ouvido uma autorização do "seu Jair" para que um dos suspeitos do assassinato pudesse entrar no condomínio.

Últimas