Política Líder do PSL na Câmara afirma que vai 'implodir' Bolsonaro 

Líder do PSL na Câmara afirma que vai 'implodir' Bolsonaro 

Delegado Waldir reclama de suposta articulação para sua saída do cargo de liderança e disse que divulgaria gravação

Líder do PSL na Câmara afirma em áudio que vai implodir Bolsonaro

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir

Fátima Meira/ Futura Press/ Estadão Conteúdo - 03.10.2019

O líder do PSL na Câmara dos Deputados, Delegado Waldir (GO), afirmou em áudio obtido pela Record TV que pretende “implodir” o presidente Jair Bolsonaro. Na conspiração contra o presidente, ele reclama da suposta articulação de Bolsonaro para retirá-lo do cargo de líder do PSL no Legislativo e colocar no lugar o deputado Eduardo Bolsonaro.

Waldir é ligado ao presidente do partido, o deputado Luciano Bivar (PE), e tem feito críticas públicas a Bolsonaro. Na conversa gravada, nesta quarta-feira (16), ele disse que divulgaria um áudio comprometedor a Bolsonaro.

“Eu vou implodir o presidente. Aí eu mostro a gravação dele. Eu tenho a gravação. Não tem conversa, não tem conversa. Eu implodo o presidente. Acabou o cara. Eu sou o cara mais fiel a esse vagabundo. Eu andei no sol em 246 cidades para defender o nome desse vagabundo”, diz o líder do PSL. Ele aborda a questão por cerca de um minuto, referindo-se ao presidente com palavrões.

O arquivo em que Waldir fala com outros parlamentares sobre o presidente tem cerca de 9 minutos de duração. A fala sobre a intenção de implodir Bolsonaro começa aos 2 minutos e 40 segundos.

Ouça o áudio aqui

Um arquivo de áudio foi divulgado nesta quinta-feira (17) pelas revistas Época e Crusoé, que mostram Bolsonaro pedindo assinatura possivelmente a um deputado do PSL não identificado com o objetivo de obter apoios para tirar Delegado Waldir da liderança do partido.

Veja mais: Presidente Bolsonaro é gravado falando sobre liderança do PSL

Ao sair do Palácio da Alvorada, Bolsonaro falou aos jornalistas que, se alguém o "grampeou", foi um ato de desonestidade. "Eu não trato publicamente deste assunto. Converso individualmente. Se alguém grampeou telefone, primeiro é uma desonestidade", afirmou.

Leia mais: Secretaria-geral da Casa: delegado Waldir segue líder do PSL na Câmara

O R7 entrou em contato com a assessoria do deputado no início da tarde desta quinta, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.