Reforma da Previdência
Política Senado conclui votação da reforma da Previdência nesta quarta-feira

Senado conclui votação da reforma da Previdência nesta quarta-feira

Destaques apresentados pelo PT e pela Rede tentam alterar trechos da proposta que afetam quem trabalha em atividades periculosas

reforma da previdência

Senado já rejeitou dois destaques da oposição

Senado já rejeitou dois destaques da oposição

Roque de Sá/Agência Senado - 1.10.2019

Após aprovar o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno, o Senado Federal volta a se reunir nesta quarta-feira (23), a partir das 9h, para analisar os dois destaques finais apresentados por parlamentares do PT e da Rede.

Os destaques ao texto apresentados por Humberto Costa (PT-PE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tiveram suas votações adiadas devido à dúvida dos senadores se a reforma pode ou não atingir direitos de quem trabalha em atividade periculosa.

Veja também: Saiba como votou cada senador no 2º turno da reforma

A mudança proposta pelo PT visa diminuir os prejuízos na aposentadoria de trabalhadores que exercem atividades com efetiva exposição a agentes nocivos químicos, físicos e biológicos. A proposta da Rede, por sua vez, trata da idade mínima desses mesmos trabalhadores.

Diante do teor dos destaques, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu suspender a sessão após ser indagado se o trabalhador brasileiro tem direito à aposentadoria por periculosidade.

Segundo ele, o líder do governo, Fernando Bezerra, se comprometeu a atender posteriormente, em lei complementar, os trabalhadores que pudessem ser prejudicados.

Leia também: Saiba como ficará a aposentadoria após a reforma

Antes do debate, os senadores já haviam rejeitado dois destaques apresentados pela oposição na tentativa de modificar o texto da reforma.

Por 57 votos a 20, o Plenário rejeitou o destaque apresentado pelo senador Weverton (PDT-MA) que retiraria da reforma a revogação de regimes de transição que ainda existem frutos de reformas de governos anteriores.

Já o destaque do senador Telmário Mota (Pros-RR) foi rejeitado por 57 votos a 19. A intenção era beneficiar trabalhadores na comprovação de tempo de serviço com insalubridade.

Se nenhum dos destaques for aprovado, o texto seguirá para a sanção presidencial. Caso contrário, as alterações voltam para ser analisadas pela Câmara dos Deputados.