Augusto Nunes Os eleitores tapearam de novo os institutos de pesquisa

Os eleitores tapearam de novo os institutos de pesquisa

Se o brasileiro só escolhe seu candidato no dia da eleição, melhor esperar a apuração dos votos

  • Augusto Nunes | Do R7

OMAR DE OLIVEIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ibope e o Datafolha precisam fazer uma pesquisa para entender o brasileiríssimo fenômeno: a cada dois anos, multidões de eleitores tapeiam os dois institutos. Foi assim desde os anos 80, quando a ressurreição da eleição direta para governadores e prefeitos de capitais precipitou a entrada em cena dos milagreiros da estatística. Já na estreia, houve pesquisas que ficaram próximas  dos resultados oficiais e houve as que miraram no ângulo esquerdo do gol e acertaram o pau de escanteio.

Para reduzir a frequência dos fiascos, a margem de erro subiu de dois para três pontos percentuais para cima ou para baixo. Como os tropeços prosseguiram, os comandantes dos institutos passaram a repetir de meia em meia hora a frase que tudo justifica: “pesquisa é o retrato de um momento”. Ok, política é como nuvem. Olha-se para ela e está de um jeito. Cinco minutos depois, está de outro jeito. Mas pesquisas eleitorais não podem ser tão volúveis. Devem captar tendências e viradas, antecipar a queda ou a ascensão de um candidato. E não podem ser desmoralizadas pelas urnas horas depois de divulgadas.

Foi o que aconteceu neste segundo turno das eleições municipais. Veja o gráfico:

Reprodução

Em várias cidades, a distância entre os índices das intenções de voto, publicados no sábado, e os números do TSE ultrapassou amplamente a margem de erro. Como pôde o retrato da véspera ser modificado dramaticamente pela contagem oficial? Convidados a explicar-se, os magos das porcentagens recitaram a desculpa da vez:  os brasileiros escolhem seu candidato só na hora de votar”.

É possível que sim. Também é possível que muita gente minta para os pesquisadores só por molecagem. Seja qual for a hipótese correta, não faz sentido desperdiçar dinheiro com pesquisas. Melhor esperar a apuração dos votos.

Últimas