Andamos 4 mil quilômetros com a nova Chevrolet Tracker

Boa dirigibilidade e consumo são os pontos altos do novo SUV da GM

O R7 Autos Carros, já mostrou aqui a apresentação do novo Chevrolet Tracker e uma avaliação de uso no dia a dia. Agora com 4 mil quilômetros rodados é a hora de avaliar o uso intenso do Tracker nos últimos dois meses. Foram trechos urbanos, rodoviários e até mesmo off-road, mesmo não sendo a proposta do SUV.

Guilherme Magna

O consumo do carro é um ponto que realmente chama atenção no novo Tracker Premier equipado com motor 1.2 turbo de 133cv de potência e 21,4kgfm de torque. Rodando com etanol em um percurso rodoviário registramos uma média de 10,3km/l, rodando sempre entre 100 e 110km/h e com ar condicionado ligado. Levando em conta que o tanque tem 40 litros de capacidade, contando a reserva a autonomia não alcança 500km o que é um ponto a ser considerado.

Guilherme Magna

Ainda citando trechos rodoviários, é possível perceber que acima dos 80km/h o carro fica totalmente na mão do motorista mesmo sendo leve com 1.271kg. A direção fica mais rígida e a sensação de que o carro “cola no chão” é nítida. A suspensão dianteira do tipo McPherson e traseira do tipo eixo de torção fazem bom trabalho em pistas boas mas fica devendo curso mais longo em trechos de terra.

Guilherme Magna

Nestas ocasiões se nota a dureza da suspensão traseira em valetas e buracos profundos. Mesmo fora do perfil de uso comum do Tracker vale a observação de que ele poderia ser mais macio quando exigido.

Marcos Camargo

Durante boa parte de nossa avaliação rodamos com o motorista até como medida preventiva por conta da pandemia do Covid-19. O espaço interno agrada, mesmo com o túnel central elevado na parte traseira, os passageiros ficam confortáveis para viajar. O porta-malas de 393 litros também mostra evolução em relação à geração antiga. É elevado e com dois níveis de profundidade que usamos para aumentar o volume útil para posicionar bagagens.

Guilherme Magna

No quesito segurança, o alerta de frenagem é um item que cumpre seu papel de forma correta. Ao andar em uma velocidade superior aos 50km/h e surgir um objeto na frente do veículo o sensor é ativado emitindo o alerta que é espelhado no cluster e no vidro, além de um sinal sonoro.

Marcos Camargo

O excesso de sensores é que pode ser um item que novamente merece atenção é o alerta de pressão dos pneus. Ele mostrou várias vezes que havia pressão baixa nos pneus dianteiros. Mas isso ocorre com os pneus frios logo no início do trajeto. Ao parar o Tracker para encher os pneus, a bomba mostrava que a pressão estava normal (assim como indica no manual do proprietário). Em contato com a montadora, fomos informados que isso pode acontecer devido a temperatura do pneu por conta da expansão do ar (dilatação) que pode confundir o sensor.

Guilherme Magna

Vale notar que outro ponto alto é o silêncio a bordo mesmo se tratando de um motor três cilindros. Quem andou no carro elogiou a ausência do ruído comum de alguns motores com esse mesmo perfil.

*Com a colaboração de Guilherme Magna