Autos Carros Renault Duster com motor turbo chega a Argentina ainda neste mês; Brasil aguarda

Renault Duster com motor turbo chega a Argentina ainda neste mês; Brasil aguarda

Conjunto mecânico entrega 154 cv e tem transmissão automática do tipo CVT

Resumindo a Notícia

  • Modelo já foi atualizado na Europa, onde terá motor 1.0 turbo
  • Crossover será vendido com tração 4x2 e 4x4
  • Carro com motor turbo deve chegar ao Brasil apenas em 2022
  • Versão europeia deve demorar para chegar ao mercado nacional
Motor turbo é feito em parceria com a Mercedes-Benz

Motor turbo é feito em parceria com a Mercedes-Benz

Renault/Reprodução

A Renault lançará no dia 30 de junho na Argentina o Duster com motor turbo, que é fabricado em Sofasa, na Colômbia. O crossover não tem mudanças visuais em relação ao lançado no Brasil no ano passado. A diferença fica por conta do propulsor de 1.3 litro de 154 cv, que foi projetado em parceria com a Mercedes-Benz e, também, equipa o novo Captur. A novidade deve chegar ao mercado nacional apenas no próximo ano, uma vez que a montadora informou que pretende fazer cinco lançamentos em 2022.

DUSTER 2021 - PONTOS POSITIVOS E AS MUDANÇAS DA NOVA LINHA. Veja o vídeo!

A nova motorização, que é de 1.3 litro turbo entrega 154 cv e tem torque de 270 Nm, substituirá o veterano trem de força de 2.0 litros de 16V, que desenvolve 143 cv e tem torque de 198 Nm. O utilitário esportivo continuará a ser vendido com transmissão automática do tipo CV e manual de seis velocidades. A tração pode ser 4x2 ou 4x4.

Modelo com motor turbo é produzido em Sofasa, na Colômbia

Modelo com motor turbo é produzido em Sofasa, na Colômbia

Renault/Reprodução

Em relação aos equipamentos, passa a contar com controle de estabilidade, airbags, assistência de partida em subida, limitador de velocidade, central multimídia de 8 polegadas, entre outros componentes.

Versão Europeia
Enquanto a América do Sul ainda produz e vende esta versão, na Europa a Dacia, que é responsável por produzi-lo e vendê-lo por lá, fez uma atualização no Duster, que será vendido a partir de setembro no mercado europeu.

Versão europeia conta com motor 1.0 turbo

Versão europeia conta com motor 1.0 turbo

Renault/Reprodução

O Duster 2022 conta com a nova assinatura em “Y” da marca e tem faróis em LED. Além disso, o modelo ganhou nova grade dianteira e nova entrada de ar no para-choque, o que o deixou mais arrojado e robusto. A traseira também conta com lanternas com assinatura ótica em formato de "Y", mas tem traços semelhantes ao vendido por aqui. O carro também passa a ser oferecido com novas rodas de 16 e 17 polegadas.

Modelo é vendido pela Dacia na Europa

Modelo é vendido pela Dacia na Europa

Renault/Reprodução

Por dentro o crossover ganhou um novo volante, painel de instrumentos, que não é digital e nova central multimídia de oito polegadas com conexão com Android Auto e Apple CarPlay sem fio e ainda tem sistema de navegação por GPS, monitor de inclinômetro, bússola, entre outras funcionalidades.

Crossover conta com central multimídia de 8 polegadas

Crossover conta com central multimídia de 8 polegadas

Renault/Reprodução

A motorização pode ser 1.0 turbo, que entrega 90 cv, 1.3 turbo de 150 cv e 1.5 turbodiesel de 115 cv. A transmissão é automatizada de dupla embreagem de seis velocidades ou manual de seis marchas. A tração pode ser 4x2 ou 4x4.

Duster no Brasil
A Renault lançou a nova geração do Duster no Brasil no começo do ano passado com motor 1.6 SCe de 118 e 120 cv e mudanças visuais. Por isso, a marca ainda não fala oficialmente sobre o vendê-lo por aqui com motor 1.3 turbo. Contudo, a montadora prometeu cinco novos modelos para 2022 e, como a nova Captur foi lançada recentemente, é provável que o SUV com esse propulsor turbo chegue no próximo ano junto com outras novidades como a reestilização do Kwid e, também, com a nova picape Duster Oroch, que terá esse trem de força 1.3 litro turbo.

PONTOS NEGATIVOS - NOVO DUSTER 2021 Iconic 2021 1.6 CVT: o que eu NÃO gostei. Veja o vídeo!

Em relação ao Duster europeu, deve demorar para essa versão chegar ao mercado nacional, uma vez que vai depender de a empresa criar uma gama de carros com a plataforma CMF-B no país.

*Em colaboração Felipe Salomão

Últimas