Autos Carros Toyota paralisará produção do Corolla por falta de peças

Toyota paralisará produção do Corolla por falta de peças

Linha de montagem de Indaiatuba ficará paralisada entre 13 e 22 de outubro

Resumindo a Notícia

  • Trabalhadores afetados pela medida ficarão de férias coletivas neste período
  • Outras fábricas da empresa seguem as atividades normalmente
  • Retorno da produção está programado para o dia 25 de outubro
  • Falta destes componentes eletrônicos foi provocada pela pandemia de Covid-19
Recentemente sedã perdeu multimídia Toyota Play por falta de peças

Recentemente sedã perdeu multimídia Toyota Play por falta de peças

Marcos Camargo Jr. 14.09.2021

Em comunicado divulgado à imprensa, a Toyota informou que irá paralisar a linha de produção do Corolla por falta de peças. Desta forma, a fábrica de Indaiatuba, no interior de São Paulo, suspenderá suas atividades entre os dias 13 e 22 de outubro. É importante lembrar que a marca já sofre com a crise global gerada pela falta de semicondutores, uma vez que oferece o sedã sem a multimídia Toyota Play, mas com uma central multimídia sem conexão com Android Auto e Apple Car Play. Além da montadora nipônica, a Volkswagen, a Honda, a Chevrolet e a Renault são algumas das empresas que já ficaram paradas por não terem os componentes eletrônicos em suas linhas de produção.

COROLLA XEI 2020 - o carro que não quebra e não desvaloriza é melhor que o Civic? Review COMPLETO. Veja o vídeo!

A falta destes componentes eletrônicos foi provocada pela pandemia de Covid-19, que gerou lockdows no sudeste da Ásia, o que afetou a cadeia produtiva destes equipamentos. Além disso, já começou a faltar chicotes, que também são imprescindíveis na produção de automóveis.

NOVO COROLLA REVIEW GLI - O MAIS BARATO! Veja o vídeo!

Segundo a Toyota, os trabalhadores afetados pela medida ficarão de férias coletivas neste período. O retorno da produção está programado para o dia 25 de outubro. A marca também anunciou que as fábricas em São Bernardo do Campos, Porto Feliz e Sorocaba não foram afetadas e seguem as atividades normalmente.

*Em colaboração Felipe Salomão

Últimas