China

Autos Carros Volkswagen comercializará só carros elétricos a partir de 2035

Volkswagen comercializará só carros elétricos a partir de 2035

Medida é válida apenas para Europa, Estados Unidos e China

Resumindo a Notícia

  • Companhia seguirá as regras da União Europeia
  • Fabricante informou que pretende ter 70% de participação de mercado nas vendas de carros elétricos
  • Mercados da América do Sul e África deverão aguardar mais tempo
  • Atualmente, a marca oferece ID.3 e o ID.4
Atualmente, a marca oferece ID.3 e o ID.4

Atualmente, a marca oferece ID.3 e o ID.4

Volkswagen/Reprodução

Assim como outras montadoras que não venderão carros a combustão em um futuro próximo, a Volkswagen também seguirá este caminho e a partir de 2035 venderá apenas veículos elétricos em sua rede de concessionárias. Contudo, essa medida é válida apenas para a Europa, Estados Unidos e China. Já os mercados da América do Sul e África deverão aguardar mais tempo.

ANDEI NO NOVO VOLKSWAGEN TAOS: melhor que Corolla Cross, Compass, Equinox e Tiggo 7? Vale 191 mil? Veja o vídeo!

Com isso, a companhia seguirá as regras da União Europeia, em que estabelece redução de 100% das emissões de gases nocivos ao meio ambiente até 2035. A fabricante alemã também informou que pretende ter 70% de participação de mercado nas vendas de carros elétricos até 2030. Atualmente, a marca oferece ID.3 e o ID.4, inclusive já trabalha em uma versão esportiva para estes modelos.

Mercados da América do Sul e África deverão aguardar mais tempo

Mercados da América do Sul e África deverão aguardar mais tempo

Volkswagen/Reprodução

Já para os países africanos e sul-americanos essa medida de não vender mais veículos a combustão deve levar mais tempo, uma vez que a marca não enxerga esta região com infraestrutura suficiente para carros deste porte. Contudo, para o mercado brasileiro a empresa tem planos de lançar seis modelos por aqui até 2027. Além disso, a companhia defende a utilização do etanol para gerar a eletricidade em carros com células de combustível, semelhante ao projeto da Nissan com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – IPEN.

*Em colaboração Felipe Salomão

Últimas