Novo Coronavírus

Christina Lemos Anvisa: vacina russa segue parada. Indiana avança

Anvisa: vacina russa segue parada. Indiana avança

Agência não tem previsão para liberação da Sputinik V. Laboratório não pediu uso emergencial e diálogo não avançou. Versão indiana pode ter resposta esta semana

Análise da Sputnik V está emperrada no país

Análise da Sputnik V está emperrada no país

Agustin Marcarian/Reuters - 21.01.2021

Ao contrário de acelerar o processo de liberação de vacinas, a MP aprovada pelo Congresso pode ter resultado oposto.

A percepção na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é de que alguns laboratórios deixarão de cumprir o rito de apresentação de documentos, apostando no cumprimento da exigência do prazo 5 dias para a liberação, constante da norma. Mas a MP pode levar até um mês para ser sancionada, se não houver veto.

A expectativa de uso da vacina russa Sputinik V encaixa-se nesta regra. Não avançou a reunião entre o laboratório União Química e a Anvisa na última sexta-feira (5). As exigências de entrega de documentos sobre o imunizante russo não foi cumprida e, até o momento, não há qualquer pedido de uso emergencial encaminhado à Anvisa.

A Agência se dedica a dois pedidos de registro definitivo de vacinas: Fiocruz e Pfizer. Ainda esta semana pode sair a resposta da Anvisa ao pedido de estudo da indiana Covaxxin, do laboratório Bharat Biotech.

Vacinação de idosos anima a população para se prevenir contra a covid-19. Veja:

Últimas