Novo Coronavírus

Christina Lemos Bolsonaro deverá ficar isolado mesmo que 1º teste dê negativo

Bolsonaro deverá ficar isolado mesmo que 1º teste dê negativo

Presidente foi submetido a testes no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, ontem, e deverá passar por novos exames em caso de falso-negativo

Bolsonaro deverá ficar ao menos 14 dias isolado

Bolsonaro deverá ficar ao menos 14 dias isolado

Isac Nóbrega/PR - 04.07.2020

O presidente Jair Bolsonaro deverá permanecer em isolamento social, por pelo menos 14 dias, mesmo que o primeiro teste para a covid-19 dê resultado negativo.

Bolsonaro deverá passar por novos testes em caso de falso-negativo. A previsão é que o exame saia a qualquer momento.

Bolsonaro foi submetido, no HFA (Hospital das Forças Armadas), em Brasília, a um exame RT-PCR ontem. É o teste mais preciso que há. Porém, se feito muito no início dos sintomas, pode dar um falso-negativo (quando o paciente tem o vírus, mas o teste não acusa).

Por essa razão, por prudência, Bolsonaro deverá ficar isolado para acompanhamento dos sintomas. Portanto, o isolamento do presidente é praticamente garantido por duas semanas.

O HFA e os médicos da Presidência deverão adotar o procedimento mais ortodoxo possível por se tratar da maior autoridade executiva do país.

Caso o isolamento de Bolsonaro seja confirmado, não significa que o presidente deixará de tomar decisões. Mesmo isolado, ele poderá continuar a despachar, se reunir por videoconferência, entre outras tarefas diárias, a depender dos sintomas.

O exame de Bolsonaro não difere em nada de um cidadão comum com sintomas, de acordo com o especialista Wanderson Oliveira, que foi Secretário Nacional em Vigilância do Ministério da Saúde na gestão de Luiz Henrique Mandetta. 

"Não há nada de especial, o procedimento é o padrão do Ministério da Saúde. Os casos agudos, com sintomas, devem fazer o [teste] RT-PCR", explicou.

Primeiros testes

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro é submetido a testes para a covid-19. Naquele episódio da comitiva presidencial que foi aos Estados Unidos, vários integrantes apresentaram os sintomas e foram diagnosticados com a doença - como Fabio Wajngarten, ex-chefe da Secom e agora secretário executivo do Ministério das Comunicações.

Na ocasião, Bolsonaro chegou a ficar isolado e fez três testes para covid-19 - todos deram resultados negativos.

Últimas