Bolsonaro quer estreia internacional na Suíça

Ministros já preparam discurso que presidente fará em Davos, durante sessão do Fórum Econômico Mundial. Bolsonaro mantém viagem apesar de restrições médicas. 

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes

Edu Garcia/R7 - 01.01.2019

Nem Argentina, como é tradição entre presidente recém-eleitos, nem Chile, como se cogitou após a eleição, em outubro. Jair Bolsonaro fará sua estréia internacional em Davos, nos Alpes suíços, onde participará do Fórum Econômico Mundial. O evento acontece entre 22 e 25 de janeiro e Bolsonaro já confirmou que discursará numa das sessões plenárias do evento, que reúne a nata do capitalismo mundial uma vez por ano para discutir questões relativas à economia e mercado e também funciona como vitrine para países emergentes. 

Apesar das ponderações da equipe médica, o presidente definiu há pelo menos uma semana que enfrentaria as onze horas de vôo e as baixíssimas temperaturas da estação de esqui suíça, que nesta época do ano podem facilmente chegar a 20 graus negativos. Bolsonaro insiste que é a melhor oportunidade de se apresentar como novo presidente do Brasil à comunidade internacional e sinalizar que o comando da economia mudou. A viagem acontece poucos dias antes da cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, prevista para 28 de janeiro.

Integrarão a comitiva a Davos os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, ambos encarregados das diretrizes do discurso, que vai focar na recuperação da credibilidade da economia brasileira. Bolsonaro deverá "vender" o Brasil como destino seguro para investimentos estrangeiros e assegurar que pilares econômicos, como estabilidade fiscal e respeito a contratos, são compromissos do novo governo.